Aceno de Witzel a Bolsonaro é amor impossível, dizem aliados do presidente

Aliados do presidente Jair Bolsonaro dizem que o aceno do governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), é um amor impossível após troca de insultos com o mandatário do Palácio do Planalto.

Após sofrer operação da Polícia Federal, Witzel acusou Bolsonaro de interferir nas investigações.

Há duas semanas, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão na casa do governador fluminense.

Wilson Witzel afrouxou o sutiã durante uma entrevista na Rádio BandNews FM ao levantar uma bandeira branca e afirmar que esperava retomar o diálogo com Bolsonaro, citando como exemplo questões como o Regime de Recuperação Fiscal.

Os filhos do presidente da República, no entanto, já fizeram chegar ao governador do Rio que esse aceno de Witzel a Bolsonaro é um amor impossível.

A piscadela do governador do RJ para Bolsonaro ocorreu no exato momento, nesta semana, que o presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano (PT), decidiu acatar um dos 11 pedidos de impeachment contra Wilson Witzel.

Note o caríssimo leitor que o ódio dos Bolsonaro em relação a Witzel extrapolou a política, por isso é um amor impossível, como dizem familiares e aliados do presidente da República. Tanto é isso que o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), foi paparicado por Bolsonaro no fim de semana.

Em março passado, o governador de Goiás xingou o presidente de “ignorante” em meio à crise da pandemia do coronavírus. Por trás da discussão, aparentemente sobre os rumos do enfrentamento do vírus, tinha uma questão política: a demissão do então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, pupilo de Caiado.

LEIA TAMBÉM
Líderes da oposição no Congresso lançam manifesto em defesa do STF

Pedido de vista de Alexandre de Moraes adia julgamento da cassação de Bolsonaro e Mourão no TSE

General Pazuello do quartel da Saúde espanca a Geografia e vira piada nacional; assista

Carlos Bolsonaro é alvo de pedido de cassação na Câmara de Vereadores do Rio

O Conselho de Ética da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro recebeu nesta segunda-feira (8) um pedido de cassação do mandato de Carlos Bolsonaro, vereador pelo Republicanos e filho do presidente Jair Bolsonaro.

Apesar de ser vereador no Rio, Carluxo opera de Brasília o chamado “gabineto do ódio”, uma rede de sites e perfis falsos nas redes sociais para atacar opositores do governo Bolsonaro.

O documento, assinado pelo vereador Leonel Brizola Neto (PSOL), indica que Carlos ignora o decoro parlamentar nas suas manifestações.

O pedido cita o exemplo de quando Carlos sugeriu que Brizola “queima ou cheira” ou ainda quando acusou vereadores do PSOL de usarem drogas.

“Carlos Bolsonaro, como o pai, não está preocupado com o sofrimento do povo. Tudo que faz nas sessões é criar confusões, xingar os colegas e atrapalhar o andamento dos trabalhos”, argumentou Brizola.

O Conselho de Ética ainda não decidiu a data para examinar o pedido.