A fuga de Weintraub para os EUA lembra um filme infantil

O ex-ministro Abraham Weintraub literalmente saiu fugido do Brasil rumo aos Estados Unidos, onde se exilou temendo ser preso por determinação do STF (Supremo Tribunal Federal). A fuga de Weintraub para os EUA lembra um filme infantil, cujo nome é declinado ao final desse texto.

O ex-titular do Ministério da Educação (MEC) teve a demissão confirmada neste sábado (20) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com a publicação do ato de exoneração no Diário Oficial da União (DOU).

Weintraub fugiu do país a pretexto de assumir uma diretoria executiva no Banco Mundial, mas dirigentes da instituição financeira o consideram um “Cavalo de Troia” pronto para destruir o sistema capitalismo global.

Ele deixou o Brasil pela porta dos fundos porque a saída se deu no mesmo momento que o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) protocolou no STF um pedido de apreensão de seu passaporte para evitar que ele saísse do Brasil. Weintraub se aproveitou do passaporte diplomático para evadir-se na calada da noite.

O agora ex-ministro desembarcou esta manhã em Miami, nos Estados Unidos, com a missão de derrubar o capitalismo internacional.

O ex-ministro Weintraub “caiu para cima” ao ser anunciado como diretor do Banco Mundial. A expressão foi usada pelo personagem Capitão Nascimento, do filme Tropa de Elite 2, que vem a calhar nesses tempos de milícia e de governo Jair Bolsonaro.

“Eu não caí para baixo, parceiro, eu caí para cima”, diz na película a personagem do ator Wagner Moura.

Dito isso, Weintraub terá salário anual de US$ 258,570, o equivalente a US$ 21.547 por mês.

Em reais, com a cotação de R$ 5,38, isso equivale a R$ 115.922 mensais. Ou, em um ano, R$ 1,391 milhão ao ano.

Abraham Weintraub, o pior ministro que a Educação já teve, “caiu para cima” porque é protegido pela organização do astrólogo Olavo de Carvalho. Se não tivesse a retaguarda do guru, muito provavelmente, o ex-ministro teria de entrar na fila do auxílio emergencial.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), explicou porque Weintraub não deveria ser indicado para uma diretoria do Banco Mundial.

“Não sabem que ele trabalhou no Banco Votorantim, que quebrou em 2009, e ele era um dos economistas do banco”, disse Maia em entrevista coletiva nesta quinta-feira (18).

Questionado se acha que Weintraub vai quebrar o Banco Mundial, Maia respondeu que a pergunta deve ser feita para quem o indicou ao cargo, no caso, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Talvez os Estados Unidos considerem deportar Abraham Weintraub, caso a PF expeça um pedido de prisão e acione a Interpol, haja vista que o capitalismo mundial está sob risco.

Nome do filme? A Fuga das Galinhas.

LEIA TAMBÉM