William Bonner, do JN, surge abatido com as fake news e ameaças

O jornalista William Bonner, âncora do Jornal Nacional, na Globo, surgiu abatido numa entrevista ao programa “Conversa com Bial” na madrugada desta quarta-feira (27). Ele tem sido alvo constante de fake news.

“Eu ainda me assusto com a bile, com o ódio que escorre nas palavras, nas palavras mal escritas, nas palavras cuspidas. É um ódio tão intenso que a gente não sabe onde levará. E aí a gente vai para as ruas e assiste a esta mesma incivilidade”, disse ele.

O jornalista aparentava abatimento, cansaço, tristeza e falta de esperança com o futuro do País.

Bonner revelou no programa de Pedro Bial que sua presença em determinados locais públicos é completamente inviável.

“Era motivadora de tensões. Percebi isso de maneira muito ruim, dentro de farmácias, de padarias, no cinema. Verbalmente agredido, insultado…”, lamentou o âncora do JN, que teve de pausar para respirar diante da conjuntura política atual.

Triste e desperançoso, ele contou que não conseguiu pegar um avião para visitar sua mãe doente em 2018 e que teve de viajar de carro do Rio para São Paulo diversas vezes. “Não podia pegar um avião com tranquilidade nem para visitar um parente doente”.

O problema é que a empresa que William Bonnner trabalha, a Rede Globo, é uma das responsáveis por parir o fascismo representado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A eleição de Bolsonaro é decorrência do golpe de 2016, do enfraquecimento dos partidos políticos e instituições democráticas, alvos constantes do “jornalismo” global.

Além disso, a Globo tem se esmerado na retirada de direitos sociais e na semiescravização da sociedade brasileira. É por isso que Bonner e os profissionais da imprensa estão sendo alvo nas ruas, no entanto, o povo [ainda] não consegue formular. É aí que surgem os grupos de ódio contra a mídia corporativa, o ovo da serpente.

Segundo Lúcio Kowarick, professor titular do Departamento de Ciência Política da USP, no Le Monde Dimplomatique, “o ovo da serpente constitui uma metáfora de um filme de Ingmar Bergman que representa o lento envenenamento da sociedade pelo nazismo na Alemanha dos anos 1920.”

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro gasta com publicidade em sites de fake news e até jogo do bicho, diz PT

Roberto Jefferson, ‘comandante propina’, ataca Moraes e reclama de armas apreendidas

Roberto Jefferson chama STF de “Tribunal do Reich” e desqualifica Alexandre Moraes

Em nota, TV Globo repudia campanha de intimidação a Bonner

Publicado em 26 maio, 2020

FacebookTwitterEmailWhatsApp

A TV Globo divulgou nesta terça (26) uma nota de repúdio a uma campanha de intimidação promovida contra o jornalista e apresentador do Jornal Nacional, William Bonner.

LEIA TAMBÉM:
Jornalistas denunciam violência de bolsonaristas no Palácio da Alvorada

Rede Globo desiste de cobrir saída do Palácio da Alvorada

Daniel Filho, da Globo, diz ter ‘inveja’ do governo argentino

No texto, a emissora cita o uso indevido do CPF do filho de Bonner por um fraudador que inscreveu o jovem no programa de auxílio emergencial do governo a pessoas vulneráveis que perderam renda na pandemia. Além disso, também informa que jornalista e uma de suas filhas receberam mensagens de WhatsApp, originadas de número telefônico com o prefiro 61, de Brasília, com dados fiscais sigilosos dele e da família. E declara apoio da empresa ao apresentador na busca e na punição dos responsáveis pelo desrespeito ao sigilo previsto na Constituição.

“A Globo o apoiará para que os autores dessa divulgação de seus dados fiscais, protegidos pela Constituição, sejam encontrados e punidos. William Bonner é um dos mais respeitados jornalistas brasileiros e nenhuma campanha de intimidação o impedirá de continuar a fazer o seu trabalho correto e isento. Ele conta com o apoio integral da Globo e de seus colegas e está amparado pela Constituição e leis desse país”, diz um trecho da nota.

Leia a nota na íntegra:

A Globo repudia a campanha de intimidação que vem sofrendo o jornalista William Bonner e se solidariza com ele de forma irrestrita. Há dias, um fraudador usou de forma indevida o CPF do filho do jornalista para inscrever o jovem no programa de ajuda emergencial do governo para os mais vulneráveis da pandemia, para isso se aproveitando de falhas no sistema, que não checa na Receita Federal se pessoas sem renda são dependentes de alguém com renda, fato denunciado publicamente pelo próprio jornalista que apresentou notícia crime junto ao Ministério Público Federal no Rio de Janeiro.

Agora, tanto o jornalista quando a sua filha receberam por WhatsApp em seus telefones pessoais mensagem vinda de um número de Brasília com uma lista de endereços relacionados a ele e os números de CPFs dele, de sua mulher, seus filhos, pai, mãe e irmãos, o que abre a porta para toda sorte de fraudes.

Véio da Havan, Roberto Jefferson, Alan dos Santos e Douglas Garcia são alvos da PF nesta quarta

Publicado em 27 maio, 2020

A Polícia Federal está nas ruas na manhã desta quarta-feira (27) cumprindo diversos mandados de busca e apreensão a mando do Supremo Tribunal Federal (STF) na apuração de ofensa, ameaças e notícias falsas contra a Corte.

O deputado Douglas Garcia (PSL-SP) e o blogueiro Allan dos Santos, ambos bolsonaristas de primeira hora, estão entre os alvos da operação. Também são alvos de mandatos o ex-deputado Roberto Jefferson e o empresário Luciano Hang, o ‘Véio da Havan’.

A PF cumpre 29 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina.

Segundo informações preliminares, a operação visa desmontar a rede que financia o ‘gabinete do ódio’ e o exército de ‘robôs bolsonaristas’.

As investigações tramitam em sigilo e apuram informações levantadas pela equipe designada pelo relator do caso no STF, ministro Alexandre de Moraes, sobre suspeitos de fomentar ataques virtuais e ameaças físicas aos ministros do STF.

O inquérito criminal para apurar “notícias fraudulentas”, ofensas e ameaças que “atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares” foi aberto em março pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli.

A operação coincide com novas ameaças dos bolsonaristas contra o Supremo Tribunal Federal na defesa do ministro da falta de Educação, Abraham Weintraub.

 

Com informações do G1.