Weintraub chamou ministros do STF de ‘filhos da puta’ em vídeo de reunião que Planalto não quer mostrar

O Planalto resiste em entregar ao STF o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril sob o argumento de que o encontro tratou de “assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado, inclusive de relações exteriores”. A Advocacia Geral da União, que representa o presidente da República no inquérito aberto a partir das acusações do ex-ministro Sérgio Moro, pede para ser autorizada a entregar apenas parte do registro da reunião.

LEIA TAMBÉM:
PDT aciona Justiça para impedir manifestações pró-Bolsonaro no Distrito Federal

Bolsonaro leva o país a uma situação genocida, diz ex-ministro da Saúde

PT cobra do STF investigação sobre participação de Bolsonaro em atos antidemocráticos

Segundo a coluna da jornalista Thaís Oyama, no UOL, “já se sabe que o vídeo — além de trazer a suposta ameaça do presidente de demitir Sérgio Moro caso ele não concordasse com a substituição do delegado Maurício Valeixo- mostra uma reunião pródiga em palavrões e menções a assuntos que o governo preferiria tratar em volume baixo, como os acordos com o Centrão”.

“E também é sabido que a China foi citada na reunião em termos pouco elogiosos — pelo próprio Bolsonaro e logo na abertura do encontro. Mas a frase mais potencialmente danosa dita na mesa não saiu da boca do presidente, e sim do seu ministro da Educação. Depois de comentar medidas tomadas pelo STF que desagradaram o governo, Abraham Weintraub afirmou que a Corte era composta por onze filhos da puta. Um deles é o destinatário do vídeo. E ainda pode compartilhar com os outros dez o comentário ‘sensível’ do ministro”, acrescenta.