Trump diz que está tomando hidroxicloroquina

Publicado em 18 maio, 2020

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta segunda-feira (18) que está tomando hidroxicloroquina “há algumas semanas”.

“Eu estou tomando. Comecei há algumas semanas. Acho que é bom, ouvi ótimas coisas [sobre o medicamento]. E se não for bom, eu falarei. É usada há 40 anos contra malária, lúpus e outras coisas. Eu tomo, trabalhadores da linha de frente tomam, vários médicos tomam”, afirmou Trump em uma mesa-redonda com executivos de restaurantes e líderes do setor na Casa Branca.

LEIA TAMBÉM:
Entidades da sociedade civil alertam para o ‘genocídio de pobres’ durante a pandemia

Com Bolsonaro, pandemia virou ‘grande experimento genocida’, diz ex-ministro da Saúde

Chefe da OMS contesta Bolsonaro: maioria da população não tem anticorpos contra covid-19

O presidente norte-americano ainda disse que espera que os cientistas encontrem logo um medicamento específico contra o coronavírus, mas que as pessoas deveriam ter acesso à cloroquina.

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) também é defensor do remédio. Apesar de não haver comprovação científica da eficácia do medicamento, ele quer que a cloroquina seja utilizada desde o início do tratamento de pacientes da Covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS).

Mandetta desmente Bolsonaro e diz que cloroquina ‘mata’

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, em entrevista concedida à jornalista Natália Cancian, da Folha de São Paulo, contestou a recomendação do uso do fármaco cloroquina para o tratamento do coronavírus. Para o ex-ministro, o remédio “mata”. O presidente Bolsonaro defende o uso em larga escala da cloroquina.

“Começaram a testar pelos quadros graves que estão nos hospitais. Do que sei dos estudos que me informaram e não concluíram, 33% dos pacientes em hospital, monitorados com eletrocardiograma contínuo, tiveram que suspender o uso da cloroquina porque deu arritmia que poderia levar a parada cardíaca”, afirma.

Mandetta, que teve que deixar o cargo, assim como seu sucessor Nelson Teich, por se recusar a suspender o distanciamento social e recomendar o remédio prescrito por Jair Bolsonaro. Ele prevê ainda que o Brasil terá pelo menos mais doze semanas “duras” adiante.

No domingo (18), o Brasil superou 16 mil mortes e 240 mil casos.