São Luís tem boa adesão ao ‘Lockdown’, afirma o governador Flavio Dino

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) postou mensagens agradecendo a população da Grande São Luís pela adesão ao ‘Lockdown’.

Ele refutou as críticas de que os bairros não estariam colaborando com o isolamento para o combate à pandemia de Coronavírus.

Dizer que nos bairros não estão colaborando com o lockdown é uma grave inverdade. É também um desrespeito aos moradores de tais bairros. Enquanto alguns querem perseguições, eu reconheço e agradeço o apoio para o enorme sucesso do lockdown. Escreveu o governador:

Segundo ele, há mais de 80% de adesão:

Esses que dizem que nos bairros que chamam de “nobres” há colaboração, e que nos demais não, desrespeitam os sacrifícios da população por causa do coronavírus. Eu reconheço o esforço de todos quanto ao lockdown. As exceções são poucas. Temos mais de 80% de adesão. Ótimo.

A Capital São Luís é situada numa ilha chamada Upaon-Açu onde ficam mais dois municípios: Raposa e São José de Ribamar. A medida de fechamento foi adotada para toda a ilha. O estado tem 5.389 casos confirmados e 305 mortes por Coronavírus.

São Paulo prorroga quarentena do Coronavírus até o dia 31 de maio

O governo de São Paulo prorrogou a quarentena em todo o estado até o dia 31 de maio. O anúncio foi feito no início da tarde desta sexta-feira (8) em coletiva no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista.

“Teremos que prorrogar a quarentena até o dia 31 de maio. Queremos, sim, em breve juntos poder anunciar a retomada gradual da economia como, aliás, está previsto no Plano São Paulo. A experiência de outros países, e nós temos utilizado essas experiências aqui, mostra claramente o colapso da saúde e, quando isso acontece, paralisa tudo”, disse o governador João Doria (PSDB).

Ele defendeu que a flexibilização da quarentena, neste momento, prejudicaria o sistema de saúde e a recuperação econômica.

“Na região metropolitana um aumento de 760% em apenas 30 dias. Em um mês, 760%. Estamos todos atravessando o pior momento desta pandemia. Só não reconhece, vê, percebe, aqueles que estão cegos pelo ódio ou pela ambição pessoal. Autorizar o relaxamento agora seria colocar em risco milhares de vida, o sistema de saúde e, por óbvio, a recuperação econômica”, afirmou.

Esta última fala foi um recado direto ao presidente Bolsonaro que insiste no fim do isolamento social, mas está falando praticamente sozinho.

Com a decisão, permanecem autorizados a funcionar apenas serviços essenciais. A ampliação do isolamento se deve ao aumento do número de casos e mortes em razão do coronavírus.

Atualmente, o estado tem 3.206 mortes pela doença e a taxa de isolamento social se manteve em 47% na quarta-feira (6), considerada abaixo do ideal para diminuir a velocidade de contágio.

Com informações do G1.

Abaixo, o vídeo da coletiva de imprensa em que foi feito o anúncio:

Fortaleza começa hoje o “Isolamento Social Rígido”, também chamado “Lockdown”

A capital do Ceará, Fortaleza, começa nesta sexta-feira (8) o seu “Isolamento Social Rígido”, ou “Lockdown”, como muitos preferem chamar.

A medida impõe regras restritivas de tráfego e de circulação de pessoas como forma de conter o avanço do Coronavírus. A estratégia impede a circulação de pessoas em espaços públicos, com exceção para os serviços essenciais

Esta é a terceira capital a adotar este tipo de medida, além de Belém (PA) e São Luís (MA).

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), compartilhou no Twitter um vídeo de divulgação da medida e escreveu:

“Começou hoje o Decreto de Isolamento Social Rígido em Fortaleza, que prossegue até o dia 20. Esta é uma medida necessária para tentar diminuir a velocidade de contaminação do coronavírus e evitar o colapso do sistema de saúde. Nossa prioridade absoluta é salvar vidas.”

General pede que militares se exponham ao Coronavírus para se “imunizar”; assista

O general Antônio Manoel de Barros, comandante militar da Operação Acolhida aos Venezuelanos em Roraima, divulgou um vídeo em que pede que os militares se exponham ao coronavírus para se “imunizar”.

O general Antônio é responsável pela triagem dos imigrantes venezuelanos e pelos abrigos presentes em Pacaraima e Boa Vista.

Contrariando todas as orientações de distanciamento social e contenção do vírus recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela medicina em geral, o militar comemora, no vídeo, que foi infectado.

“É como eu digo, vale para mim, vale para vocês. Nós não estamos infectados, nós estamos sendo imunizados para ações futuras. Essa é a visão que nós temos que ter”.

Assista ao vídeo:

O vídeo, com vinheta da Operação Acolhida, foi distribuído aos aos militares no dia 18 de abril, quando o número de militares infectados era de 55.

No boletim da última segunda-feira (4), o número de infectados em tratamento dentro da operação já era de 98 e o de recuperados, 94. No total 567 militares estão envolvidos na Operação Acolhida. Segundo o general, 4 venezuelanos foram contaminados – sendo 2 deles crianças.

De acordo com informações da assessoria de imprensa da operação ao site The Intercept, entre os 6.096 refugiados, apenas 22 foram testados, o que equivale a menos de 0,2% do grupo.

O estado de Roraima registrou até a última quarta-feira (6), 1020 casos confirmados e 14 mortes por covid-19.

Antônio Barros é coordenador operacional da Acolhida desde janeiro. Em fevereiro do ano passado, segundo apurou o Intercept, Barros foi o responsável pela operação, que resultou nas mortes do músico Evaldo Rosa e do catador Luciano Macedo em abril de 2019, no Rio de Janeiro.

As informações são do Brasil de Fato.

Brasil tem 9.146 mortes e 135.106 casos confirmados de Coronavírus em 07/05

O balanço divulgado pelo ministério da Saúde nesta quinta-feira (7) aponta que o número de mortes continua crescendo em mais de 600 casos por dia no Brasil.

Os principais dados do balanço são:

  • 9.146 mortes totalizadas;
  • 610 mortes confirmadas nas últimas 24 horas;
  • 135.106 casos confirmados;
  • 9.888 novos casos confirmados nas últimas 24 horas.

Com informações do G1.

Petrobras: Casos de coronavírus ‘explodem’ em refinarias e plataformas

A contaminação pelo novo coronavírus entre os trabalhadores que estão nas refinarias e plataformas da Petrobrás explodiu nas últimas semanas. De acordo com o Ministério de Minas e Energia, são mais de 800 petroleiros e terceirizados contaminados e ainda existem 1.612 casos em investigação. O Ministério Público do Trabalho (MPT) foi acionado para acompanhar a situação dos trabalhadores da estatal. Informa O Estado de São Paulo.

“A gente tem algumas investigações em andamento em relação às empresas afretadas (empresas contratadas pela estatal para operar as plataformas) para que elas apliquem os mesmos procedimentos adotados pela estatal. Se a gente não conseguir, numa eventual ação judicial, a Petrobrás também tem de ser responsabilizada, porque ela é a concessionária (do campo)”, disse a coordenadora nacional do Trabalho Portuário e Aquaviário do MPT, Flávia Baule.

A aglomeração e o confinamento do trabalho nas plataformas de petróleo, naturalmente, facilitam a disseminação da covid-19 entre os trabalhadores, de acordo com especialistas.

Segundo o diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, os “trabalhadores do Sistema Petrobrás não se sentem seguros, desde a hora que têm de pegar o transporte até o trabalho nas unidades operacionais para garantir serviços essenciais à população”.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaristas preparam dossiê sobre ‘passado comunista’ de Regina Duarte

A bem-sucedida luta de Portugal contra a Covid-19 chama a atenção do mundo

Bolsonaro quis emparedar o STF e acabou tomando uma lição sobre como governar; assista

De acordo com um tripulante, que pediu para não ser identificado, ele embarcou em abril e não realizou testes. No fim do mês, voltou para casa com receio de ter sido contaminado por um colega de trabalho com sintomas da doença. Apesar disso, não fez teste por não ter dividido quarto com este colega. Ao fazer o exame por conta própria, recebeu o resultado positivo.

A Petrobrás diz que já realizou cerca de 6,3 mil testes para covid-19 entre seus empregados, prestadores de serviços e contactantes de casos suspeitos.