Randolfe_Rodrigues

Randolfe quer a suspensão do sigilo do vídeo da reunião ministerial

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) vai apresentar um pedido para que o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, suspenda o sigilo do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril.

“Esse vídeo é de interesse público. Não cabe sigilo em um vídeo em que o presidente se reúne com o conjunto de seus ministros. Obviamente, qualquer assunto tratado em uma reunião dessa natureza deveria ser republicano”, disse Randolfe ao site de extrema direita O Antagonista.

LEIA TAMBÉM:
#DivulgaTudoCelsodeMello pedem internautas pelo vídeo que pode derrubar Bolsonaro

Em Brasília, ato de servidores leva boneco inflável de Bolsonaro com as mãos suja de sangue

Lewandowski será relator de ação para Bolsonaro revelar exame de coronavírus

No vídeo da reunião, Bolsonaro disse que queria trocar o superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro para evitar que seus familiares e amigos fossem prejudicados por investigações em curso.

Em reunião ministerial, Bolsonaro disse que perseguição à família justificaria troca da PF do Rio

Em reunião ministerial no dia 22 de abril, o presidente Jair Bolsonaro disse que a perseguição a seus familiares justificaria a troca do então superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro e afirmou que, se ela não fosse efetivada, trocaria o diretor-geral da PF e o próprio ministro da Justiça e Segurança Pública, cargo então ocupado por Sergio Moro, relatou à Reuters uma fonte com conhecimento do vídeo da reunião.

O presidente, segundo a fonte, fez uma defesa enfática dessa troca durante a reunião, ocorrido dois dias antes da demissão de Moro e do então diretor-geral da PF, Maurício Valeixo.

Mais cedo, a defesa de Sergio Moro havia afirmado que o vídeo da reunião “confirma integralmente” declarações do ex-ministro de que, naquela ocasião, o presidente teria cobrado a troca do superintendente da PF no Rio de Janeiro e defendeu a divulgação na íntegra da gravação.

“Assistimos hoje ao vídeo da reunião interministerial ocorrida em 22 de abril. O material confirma integralmente as declarações do ex-ministro Sérgio Moro na entrevista coletiva de 24 de abril e no depoimento prestado à PF em 2 de maio”, disse o advogado Rodrigo Sánchez Rios em nota.

“É de extrema relevância e interesse público que a íntegra desse vídeo venha à tona. Ela não possui menção a nenhum tema sensível à segurança nacional”, completou.

Procurada pela Reuters para comentar, a Secretaria de Imprensa da Presidência não respondeu de imediato.

Moro veio a Brasília assistir à exibição do vídeo pessoalmente, ao lado de seu advogado e de outros envolvidos no caso.

Segundo depoimento prestado por Moro no âmbito de investigação sobre as acusações que fez contra Bolsonaro, o presidente teria dito na reunião que iria interferir em todos os ministérios e, quanto à pasta da Justiça e Segurança Pública, se não pudesse trocar o superintendente da PF no Rio, trocaria o diretor-geral da corporação e o próprio ministro da Justiça.

Essas declarações levaram à saída de Moro e de Valeixo do governo e à abertura de um inquérito pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar as declarações.

Por ora, o ministro Celso de Mello, relator do caso no STF, ainda não liberou a divulgação da íntegra do vídeo após a Advocacia-Geral da União (AGU), que representa Bolsonaro no inquérito, ter dito inicialmente que haveria temas sensíveis e de estado alheios à investigação tratados no encontro.

O ministro do STF já tinha decidido que todo o andamento do inquérito será público e poderá em breve decidir sobre a divulgação ou não do vídeo, tido por envolvidos no caso como uma das principais provas que pode haver contra o presidente, segundo duas fontes envolvidas relataram à Reuters.

Por Agência Reuters