PT engrossa ‘mega’ pedido de impeachment de Bolsonaro

A executiva nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu nesta sexta-feira (15) apresentar à Câmara dos Deputados um pedido coletivo de impeachment do presidente Jair Bolsonaro, assinado com amplo conjunto de movimentos sociais, organizações da sociedade civil, entidades e representantes da comunidade jurídica, além de outros partidos, como o PSOL, e frentes políticas. “Não dá mais com este governo”, disse a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR).

O anúncio foi feito por ela e os líderes do PT na Câmara, Enio Verri (PR), e da Minoria no Congresso, José Guimarães (CE). “Bolsonaro é incapaz de dar resposta à crise que estamos vivendo e não tem condições, nem capacidade administrativa e humana de conduzir o país. Briga com todo o mundo, e não protege o povo brasileiro”, apontou Gleisi Hoffmann. “É bom lembrar que o PT tem quatro ações na Justiça Eleitoral que pedem a cassação de chapa de Bolsonaro e [Hamilton] Mourão”.

Segundo os líderes, a direção nacional do PT está fazendo consultas e articulações com as forças democráticas e populares para que o pedido coletivo de Impeachment seja elaborado, assinado e apresentado até a próxima semana, mantendo a possibilidade de inclusão posterior de outras forças e entidades.

“É preciso fazer avançar o pedido de impeachment”, disse Verri. “É em respeito ao povo brasileiro e à vida da população. Enquanto a população morre, temos um presidente irresponsável”.

LEIA TAMBÉM:

Governo explicava pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial, enquanto Nelson Teich fazia coletiva

Alunos de escolas de elite de SP, Rio e Minas pedem adiamento do Enem

Padilha: ‘mortes por coronavírus são culpa de Bolsonaro’

O partido engrossa o pedido de impeachment nos marcos da campanha pelo “Fora, Bolsonaro”, mobilizando todos os meios constitucionais e legais disponíveis para pôr fim ao governo genocida de Bolsonaro, inclusive a defesa da emenda por eleições diretas apresenta pelo deputado Miro Teixeira.

O PT lutará pela tramitação e aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 37/2019, que prevê a realização de eleições presidenciais em caso de vacância do cargo, por qualquer motivo, até seis meses antes do fim do mandato. “Essa posição consolida a posição das esquerdas e dos democratas brasileiros. Não dá mais para Bolsonaro continuar a conduzir os destinos do país”, apontou José Guimarães, líder da minoria parlamentar no Congresso.

*Com informações da Agência PT de Notícias