PGR pede que MP do DF apure agressões a profissionais de imprensa durante manifestação

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu hoje (4) ao Ministério Público do Distrito Federal que apure as agressões sofridas por jornalistas durante manifestação de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF), realizada ontem (3) em Brasília.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro lidera manifestação antidemocrática em Brasília, ignorando perigo de contágio por coronavírus

Bolsonaro diz que não viu agressão a jornalistas durante ato contra Congresso e STF

Eduardo Bolsonaro comete crime de homofobia para defender manifestação antidemocrática do pai

“Chegou ao conhecimento desta Procuradoria-Geral da República que, na data de ontem, 3 de maio de 2020, Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, profissionais jornalistas foram agredidos em manifestação popular ocorrida em frente ao Palácio do Planalto, fato amplamente divulgado nos veículos de comunicação”, escreveu Aras no ofício.

“Tais eventos, no entender deste procurador-geral da República, são dotados de elevada gravidade, considerada a dimensão constitucional da liberdade de imprensa, elemento integrante do núcleo fundamental do Estado Democrático de Direito”, afirmou.

Ontem (3), dia em que se comemorava o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, o fotógrafo Dida Sampaio, do jornal O Estado de S. Paulo, foi agredido por apoiadores de Bolsonaro em frente ao Palácio do Planalto com chutes e socos quando tentava registrar fotos da manifestação. Além de Sampaio, o motorista do jornal Marcos Pereira foi derrubado com uma rasteira. Os agredidos deixaram o local escoltados pela Polícia Militar. Jornalistas de outros veículos também foram hostilizados durante o ato.

Com informações da Agência Brasil.