Para Lula, Bolsonaro faz tão mal ao Brasil quanto o Coronavírus

Bolsonaro não fala a palavra pandemia, só fala que o povo tem que voltar a trabalhar, afirmou o ex-presidente Lula em entrevista ao jornalista Nonato Cavalcante, da Rádio Clube do Pará.

“Bolsonaro faz tão mal ao Brasil quanto o coronavírus”, advertiu Lula. “Não temos um presidente”, destacou, enquanto o país chega a 10 mil mortes.

Na entrevista, Lula prestou solidariedade ao povo e ao governador do Pará, Elder Barbalho, e também destacou o papel do senador Paulo Rocha (PT-PA) e dos deputados federais petistas no Congresso Nacional para assegurar os direitos dos paraenses.

Para Lula, o país precisa de um presidente comprometido com o Brasil, que se preocupe com o povo. “Alguém civilizado, com sensibilidade, humanismo e coração”, definiu, citando o exemplo positivo do presidente Alberto Fernández, da Argentina.

“O que Bolsonaro fez ontem foi um ato de pirotecnia” para pressionar o STF de uma forma autoritária pela flexibilização do isolamento social.

Para Lula, Bolsonaro também está isolado internacionalmente, envergonhando o pais perante o mundo. “Eu não queria ficar falando mal toda hora do governo. Mas é insuportável ver a insensibilidade com a vida das pessoas”, disse o ex-presidente.

A gravidade da crise que aumenta a cada dia deveria ter outra forma de atuação do governo federal, advertiu Lula. “Primeiro, trabalhando junto com um comitê de governadores, prefeitos e especialistas, fazendo o que a ciência recomenda”, diz ele.

Ao mesmo tempo, deveria chamar os empresários para promover uma reconversão da indústria para produzir insumos médicos. E também manter relações civilizadas com outros países para trocar experiências, especialmente com a China, completa ele.

Bolsonaro induz brasileiros à morte
Ao povo cabe cumprir com o isolamento social, defende Lula, ressaltando que até agora não existe vacina contra o coronavírus. No entanto, ressaltou, “Bolsonaro está induzindo os brasileiros à morte. Ele acha que colocar o povo pra voltar a trabalhar vai resolver o problema. O cara só vai poder cuidar da família se ele estiver vivo”, advertiu.

Ao governo, diz ele, cabe pagar o que o Congresso Nacional aprovou, criando alternativas para o saque dos R$ 600,00, evitando as filas. Lula criticou a condução oficial da crise, que colocou à frente do Ministério da Saúde, “um homem de negócios, que não conhece a saúde pública, que desconhece o SUS”.

Diante da crise e das necessidade do país, Bolsonaro não tem mais condições de estar à frente do comando da Nação, avaliou Lula. “Bolsonaro desrespeita as instituições diariamente. Ataca o STF, o Congresso, governadores. Ele pensa que pode dar um novo golpe autoritário.

E a mesma Câmara que não teve vergonha de colocar em votação o impeachment da Dilma, não tem coragem de colocar o do Bolsonaro”, disse. Para Lula, Bolsonaro já cometeu “crime de responsabilidade”.

O ex-presidente também comentou a última farsa jurídica da condenação do TRF-4 que manteve sentença “cópia e cola” da juíza Gabriela Hardt, ignorando provas de sua inocência. Dizendo que sua defesa vai continuar recorrendo da sentença, segundo ele sustentada pela Rede Globo, em mais de 400 horas de Jornal Nacional.

“O Brasil vai saber da grande mentira, da grande sacanagem que fizeram contra mim, contra o PT e contra Dilma”, sentenciou Lula.

As informações são do PT.

Lula quer que juiz peça desculpas à família de Marisa Letícia

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), durante uma live com o economista Eduardo Moreira, no dia 10 de abril, aproveitou a transmissão ao vivo para desmentir a fake news sobre herança de R$ 256,6 milhões da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

O petista se referia à decisão do juiz Carlos Henrique André Lisboa, da 1ª Vara da Família e das Sucessões, que havia pedido a ele [ex-presidente Lula] que explique suposto investimento de Marisa Letícia que totalizaria R$ 256,6 milhões.

Ato contínuo, o magistrado recebeu extrato dos CDBs (certificados de depósito) de Dona Marisa no valor é de 26 mil reais, porém, o gabinete do ódio bolsonarista continuou a disseminar fake news contra a ex-primeira-dama falecida em 2017.

Um dos que espalhou notícia falsa sobre a ex-mulher de Lula foi o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o Zero Três, filho do presidente Jair Bolsonaro. “Os R$ 256 MILHÕES de Dona Marisa…”, postou no Twitter, anexando a capa do processo em questão.

Entretanto, o juiz Carlos Henrique André Lisbôa voltou atrás e reconheceu que o valor do inventário da ex-primeira dama Marisa Letícia Lula da Silva é de R$ 26 mil, em vez de R$ 256 milhões.

“O inventariante se manifestou por meio da petição de fls. 573/576 e juntou o extrato de fls. 577/584. Restou demonstrado que o investimento que a falecida possuía no Banco Bradesco tem saldo líquido de R$ 26.282,74 (fls. 578) e que ele não é regulamentado pelos contratos acostados a fs. 394/427 e 428/468”, escreveu no documento. “A questão, portanto, está devidamente esclarecida”, reconheceu.

O ex-presidente Lula, por sua vez, achou insuficiente o reconhecimento e quer que o juiz peça desculpas formais à família da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

“A palavra desculpas é muito importante e deveria servir pra todos. Eu aprendi com a minha mãe. Seria importante que o juiz que cometeu o erro, tivesse aprendido a pedir desculpas no curso que ele fez”, registrou nesta sexta-feira (8) o petista.

Sobre as fake news que o erro no processo gerou, o juiz afirmou que podem ser tratadas “caso haja interesse, em ação própria” da parte da vítima.

No final de abril, a família da falecida esposa de Lula entrou na justiça contra Eduardo, e também contra a atriz Regina Duarte, pedindo reparação pela divulgação de mentiras na internet contra a memória e honra de Dona Marisa.

LEIA TAMBÉM
Dira Paes grava vídeo para o Imazon contra a “MP da grilagem”; assista

São Paulo prorroga quarentena do Coronavírus até o dia 31 de maio

Bolsonaro é principal ameaça ao combate do coronavírus no Brasil, diz revista científica Lancet

Weintraub chamou ministros do STF de ‘filhos da puta’ em vídeo de reunião que Planalto não quer mostrar

O Planalto resiste em entregar ao STF o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril sob o argumento de que o encontro tratou de “assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado, inclusive de relações exteriores”. A Advocacia Geral da União, que representa o presidente da República no inquérito aberto a partir das acusações do ex-ministro Sérgio Moro, pede para ser autorizada a entregar apenas parte do registro da reunião.

Segundo a coluna da jornalista Thaís Oyama, no UOL, “já se sabe que o vídeo — além de trazer a suposta ameaça do presidente de demitir Sérgio Moro caso ele não concordasse com a substituição do delegado Maurício Valeixo- mostra uma reunião pródiga em palavrões e menções a assuntos que o governo preferiria tratar em volume baixo, como os acordos com o Centrão”.

“E também é sabido que a China foi citada na reunião em termos pouco elogiosos — pelo próprio Bolsonaro e logo na abertura do encontro. Mas a frase mais potencialmente danosa dita na mesa não saiu da boca do presidente, e sim do seu ministro da Educação. Depois de comentar medidas tomadas pelo STF que desagradaram o governo, Abraham Weintraub afirmou que a Corte era composta por onze filhos da puta. Um deles é o destinatário do vídeo. E ainda pode compartilhar com os outros dez o comentário ‘sensível’ do ministro”, acrescenta.

Regina Duarte ‘fumou algo estragado’ antes do chilique na entrevista da CNN Brasil? Assista

A atriz Regina Duarte, secretária nacional da Cultura, teve um chilique ao vivo durante uma entrevista na CNN Brasil. Ele era entrevistada pelo repórter Daniel Adjuto, em Brasília, quando surtou com um vídeo da colega Maitê Proença.

“Que baixaria! Não estava combinado!”, protestou a secretária, após ser contrariada com perguntas sobre sua demissão e a política cultural da pasta.

Antes de abandonar a entrevista, Regina Duarte protagonizou um dos maiores fiasco da TV brasileira ao cantarolar o hino da ditadura militar [Pra frente Brasil]. Segundo a secretária, torturas e mortes foram normais durante o período. “Mortes convivem com a vida”, minimizou.

Maitê Proença cobrava da secretária atitudes em apoio à categoria, palavras e gestos pelos que se foram recentemente.

Ao abandonar a entrevista da CNN, ao vivo, a atriz Regina Duarte ganha mais alguns pontos com a Rede Globo –sua casa por mais de 50 anos.

A pergunta é: Regina Duarte fumou algo estragado antes de entrar ao vivo na CNN Brasil?

Veja como foi a fuga de Regina Duarte e responda à pergunta: