Morre o ator Flávio Migliaccio aos 85 anos

O ator Flávio Migliaccio foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira (4) no sítio onde morava em Rio Bonito (RJ). Ele tinha 85 anos e era natural de São Paulo.

A morte de Migliaccio foi confirmada pelo 35º Batalhão de Polícia Militar. O boletim de ocorrência foi registrado como suicídio.

O ator teria deixado uma carta que foi confirmada como autêntica segunda a Revista Fórum:

“Me desculpem, mais não deu mais. A velhice neste país como tudo aqui, a humanidade não deu certo. Eu tive a impressão que foram 80 jogados fora num país como este. E com esse tipo de gente que acabei encontrando.

Cuidem das crianças de hoje! ” Escreveu o ator.

Migliaccio participou de mais de 30 novelas e minisséries e fez sucesso com vários personagens, como o pão-duro Moreiras, em “Rainha da Sucata” (1990), o feirante Vitinho, em “A Próxima Vítima” (1995), Fortunato, em “Passione” (2010), e o turco Chalita, da série “Tapas & Beijos” (2011) todos na TV Globo..

O último trabalho do ator foi na novela “Órfãos da Terra”, da TV Globo, em 2019, quando interpretou o personagem Mamede Al Aud. Além de ator, Migliaccio atuou como diretor, produtor, roteirista e cartunista.

Com informações da Revista Fórum

Também nesta segunda-feira (4), morreu o escritor e compositor Aldir Blanc. Leia a seguir:

Escritor e compositor Aldir Blanc morre vítima do Coronavírus

O escritor e compositor Aldir Blanc, 73 anos, morreu na madrugada desta segunda-feira (4) no Rio de Janeiro. Ele foi mais um vítima do Coronavírus.

Aldir estava internado no Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Ele deixa uma vasta obra musical e literária. “O Bêbado e o Equilibrista” e “De Frente pro Crime” são alguns dos sucessos da carreira de Aldir Blanc em parceria com João Bosco e que, a partir das década de 1960, se perpetraria por um longo tempo e apontaria para uma das uniões artísticas mais consistentes da Música Popular Brasileira.

LEIA TAMBÉM
Brasil ultrapassa 7 mil mortes e 100 mil casos confirmados de covid-19

Eduardo Bolsonaro comete crime de homofobia para defender manifestação antidemocrática do pai

Bolsonaro lidera manifestação antidemocrática em Brasília, ignorando perigo de contágio por coronavírus

Com Maurício Tapajós e Moacir Luz, Aldir também explorou seu viés de compositor e na voz de nomes como Clara Nunes, Elis Regina e Leila Pinheiro teve muitos de suas letras reverberadas.

Aldir Blanc, além de compositor e um dos nomes de peso o universo da música brasileira, é autor de livros, alguns voltados para explorar gêneros musicais e outros denotam sua veia de bom humor como cronista.

Dia triste para a cultura nacional.