Morre aos 87 anos Little Richard, um dos criadores do Rock’n’Roll

Publicado em 9 maio, 2020

O cantor Little Richard, uma das maiores lendas do rock, morreu aos 87 anos. A informação foi confirmada hoje filho do músico, Danny Penniman, à revista Rolling Stones. A causa da morte não foi revelada.

O músico foi responsável por diversos clássicos como “Tutti Frutti”, em 1956, “Long Tall Sally”, “Rip It Up”, “Lucille” e “Good Golly Miss Molly”.

Ele também inspirou outros nomes de renome na música mundial, como Elvis Presley, os Beatles, que fizeram uma versão para “Long Tall Sally”, e Elton John.

Nascido em 5 de dezembro de 1932, em Macon, na Geórgia, Richard Wayne Penniman cresceu em torno dos tios religiosos.

Seu nome original era Richard Wayne Penniman. Ele chegou a cantar na igreja, mas seu pai não apoiava a vida do filho como músico e o acusou de ser gay. Aos 13 anos, o hoje lenda do rock saiu de casa e foi morar com outra parte da família.

Richard rompeu vários preconceitos de cor, de comportamento e sexuais, sendo uma das figuras mais importantes para início do rompimento dos padrões conservadores nos anos de 1950 nos Estados Unidos e em todo o mundo.

Com informações do UOL.

Globo: Brasil pode ter passado os EUA em número de casos de coronavírus

A Rede Globo mostrou no Jornal Nacional, nesta sexta-feira (8), que o Brasil pode ter ultrapassado os Estados Unidos em número de casos de coronavírus. A emissora citou um estudo da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), que estima entre 1,6 milhão e 2,2 milhões de casos no País governado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De acordo com a pesquisas que utilizou uma métrica da Coreia do Sul, o Brasil já é o epicentro da doença no mundo. Oficialmente, os EUA têm 1,3 milhão de casos de coronavírus.

A Globo retratou a subnotificação de casos de Covid-19 em virtude da não realização de testes. A emissora afirmou que somente profissionais de saúde, segurança e pacientes já internados são submetidos ao exame. É um dos países que menos testaram no mundo, registrou o JN.

Se o número de casos de coronavírus é 14 vezes maior do que o registro oficial, não resta dúvida, o Brasil lidera o triste ranking da morte.

“É sabido que existe uma grande subnotificação de casos no Brasil todo, porque só estão sendo testados os casos graves, de quem vai para os hospitais. Mas de quanto é essa distorção da realidade?”, diz Domingos Alves, integrante do grupo Covid-19 Brasil, formado por cientistas de mais de dez universidades brasileiras.

“Para ter uma noção real da dimensão, o ideal seria a testagem em massa. Como não temos testes disponíveis para todos, as estimativas podem servir de base para o gerenciamento de medidas de confinamento, necessidade de novos leitos e da abertura de hospitais de campanha”, afirma Alves, que tem experiência em modelagem de epidemias de pneumonia.

A TV Globo anotou que o Ministério da Saúde planeja a compra de 46 milhões de testes para a Covid-19, número equivalente a 22% da população brasileira.

LEIA TAMBÉM
Lockdown. Que bicho é esse?

Brasil tem novo recorde com 751 mortes por Coronavírus em 24 horas

BC pede produção extra de dinheiro para pagamento do auxílio emergencial

Bolsonaro promete 3 mil pessoas no ‘churrasco do coronavírus’ neste sábado

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou na tarde desta sexta-feira (8), na entrada do Palácio do Alvarado, que irá fazer um megachurrasco amanhã no local.

“Tem mil e trezentos convidados, quem vier aqui amanhã, se tiver mil [pessoas] eu boto pra dentro [do Palácio do Alvorada]. Vamos fazer um churrasco para mais ou menos 3 mil pessoas”, prometeu o presidente, se dirigindo a correligionários.

“Estou cometendo um crime. Vou fazer um churrasco no sábado aqui em casa. Vamos bater um papo, quem sabe uma ‘peladinha’, alguns ministros, alguns servidores mais humildes que estão do meu lado”, revelou ontem (7).

Ainda sobre o churrasco deste sábado, o presidente disse que vai fazer uma vaquinha de R$ 70. “Não vai ter bebida alcoólica senão a primeira-dama coloca todo mundo para correr.”

Nas redes sociais, Bolsonaro foi hoje alvo de críticas pelo planejamento da festa.

“Vai comemorar o quê? Com 140 mil infectados e 10 mil mortos pela Covid-19, vai pedir o fim do isolamento social?”, questionou o deputado Júlio Delgado (PSB-MG).

Para o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), Bolsonaro prefere fazer piada e, contrariando todas as regras de prevenção, diz que vai fazer um churrasco para 30 amigos com direito a futebol. “É podre. É nefasto. É inexplicável. É enjoativo.”

“Sábado vamos chegar a 10 mil mortos no Brasil.E o Bolsonaro vai fazer um churrasco .O que ela vai comemorar?, quis saber o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP).

Perguntado porque não suspendia o churrasco para dar o bom exemplo, Bolsonaro ironizou dizendo que a festa será para 3 mil pessoas.

Assista ao vídeo:

URGENTE: Globo põe lupa e encontra 20 mil mortos por coronavírus no Brasil

O portal de notícias da Globo, o G1, anuncia com exclusividade que registros em cartórios indicam que o número de mortes é 173% maior do que o anunciado pelo governo.

De acordo com o jornalista Helio Gurovitz, colunista no G1, nos municípios mais atingidos pela Covid-19, o indicador crucial para os epidemiologistas, a mortalidade por todas as causas, disparou desde o início da pandemia até o final de abril.

Pelo levantamento, o número de mortes subiu 30% em 5 cidades mais atingidas pelo coronavírus.

“As mortes nas cinco cidades brasileiras mais atingidas pela Covid-19 somaram pelo menos 26.445 desde o início da pandemia até o dia 25 de abril, um crescimento de 30% em relação à média dos anos anteriores, de 20.384 durante as mesmas semanas”, escreve o articulista, diretor de redação da revista Época por 9 anos.

Oficialmente, o Brasil tem 7.343 mortes e 108.266 casos confirmados de novo coronavírus nesta segunda-feira (4). Os dados são do Ministério da Saúde.

Pela contagem paralela da Globo/G1, devido a subnotificação, o Brasil tem hoje 20 mil mortes e 295 mil casos da doença.

Se o cálculo estiver certo, o número de casos de Covid-19 no Brasil irá disparar e será o segundo no ranking mundial, atrás somente dos Estados Unidos.