Mais de 40 milhões de profissionais da saúde de 90 países assinam apelo ao G20

Profissionais de saúde de 90 países apelaram aos líderes mundiais a darem prioridade à saúde pública e às questões ambientais nos programas de recuperação e de investimento a desenvolver na sequência da atual pandemia da doença covid-19.

O apelo divulgado consta numa carta dirigida aos líderes do G20 (grupo dos 20 países mais ricos e emergentes do mundo), que foi assinada por mais de 40 milhões de médicos, enfermeiros e profissionais de saúde representados por 200 organizações oriundas de 90 países.

É necessário “dar prioridade aos investimentos na saúde pública, para um ar limpo, água potável e para um clima estável nos pacotes de recuperação econômica que estão atualmente em análise”, defenderam os signatários da carta, dos quais muitos deles se encontram na linha da frente do combate à pandemia da doença covid-19.

Sob o lema “ao serviço da comunidade médica e de saúde do mundo”, a missiva foi promovida e apoiada pelas organizações Global Climate and Health Alliance, Every Breath Matters e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo as agências internacionais, que destacam que esta iniciativa é a maior mobilização global no campo da saúde desde a assinatura em 2015 do Acordo de Paris para combater as alterações climáticas.

Várias outras organizações de peso internacional assinaram a carta, entre elas, a Associação Médica Mundial, o Conselho Internacional de Enfermeiros, a Organização Mundial de Médicos de Família ou a Federação Mundial de Associações de Saúde Pública.

LEIA TAMBÉM:

“Fascismo está se instalando no Brasil”, diz Witzel

Empresas fascistas não são bem-vindas no Blog do Esmael

Dilma e Haddad repudiam ataque do ‘Estadão’ a Lula

Os líderes mundiais “precisam de aprender com os erros cometidos durante esta pandemia”, afirmaram os profissionais, salientando que os planos a traçar devem ter como objetivo a formação de “um mundo mais forte, saudável e mais resiliente perante novas crises”, diz o documento.

“Não se trata apenas de saúde, mas também de garantir que os programas de recuperação a aplicar abordem os problemas climáticos com possíveis grandes impactos na saúde humana e do planeta”, destacaram os signatários.

*Com informações de agências internacionais