Madero vê encalhe de sanduíches após declaração sobre mortes por coronavírus

Publicado em 17 maio, 2020

Segundo o dicionário Aurélio, encalhe significa “mercadoria que não teve saída, que não encontrou comprador.” Pois bem, os sanduíches da rede de restaurantes Madero encalharam e não têm compradores.

O empresário Júnior Durski, proprietário do Madero, afirmou neste sábado (16) que seu faturamento despencou por causa da pandemia do novo coronavírus. Depois de falar que o país não deveria parar “por 5 ou 7 mil mortes”, ele lamentou a queda no número de clientes.

Júnior Durski ressaltou que precisará se reinventar no ramo dos restaurantes após a pandemia. Segundo ele, um restaurante em Curitiba, que costumava receber 400 pessoas por dia, atualmente serve apenas 30 clientes ao dia.

A entrevista foi dada à rádio Bandnews FM. A explicação encontrada pelo empresário para queda das vendas é o medo da população de sair de casa e se infectar com o novo coronavírus.

Durski também disse que precisará demitir funcionários para manter a saúde do negócio. Ainda no início da pandemia, ele contou ao jornal O Estado de S. Paulo que sua empresa dispensaria 600 pessoas para diminuir o rombo econômico.

No início da crise da saúde pública, em março, o proprietário do Madero causou revolta na população depois de colocar a economia acima das vidas perdidas pela virose.

“O país não aguenta, não pode parar dessa maneira. As pessoas têm que produzir e trabalhar. Não podemos (parar) por conta de cinco ou sete mil pessoas que vão morrer. Isso é grave, mas as consequências que vamos ter economicamente no futuro vão ser muito maiores do que as pessoas que vão morrer agora com o coronavírus”, disse.

Moral da história: o Madero teve a marca atingida pelo bolsonarismo doentio de Júnior Durski.

LEIA TAMBÉM
Luciano Huck estuda abandonar sociedade com dono do Madero

Madero foi citado em escândalo da ‘Carne Fraca’, mas PF não viu motivos para investigar sócio de Huck

Madero nunca mais, diz atriz Patricia Pillar

País quebrado, contratos descumpridos

O País quebrado, somado à pandemia de coronavírus, tem sido o ambiente perfeito para o descumprimento de contratos privados.

Fundamentados na Constituição e nos códigos Civil, de Processo Civil e de Defesa do Consumidor, os contratos significam, resumidamente, em acordo de vontade entre duas ou mais pessoas, em relação a um objeto lícito e possível, a fim de adquirir, resguardar, modificar ou extinguir direitos. Ocorre quando ambas as partes assumem, reciprocamente, uma obrigação.

Na crise econômica criada pelo presidente Jair Bolsonaro e seu “Posto Ipiranga”, o ministro Paulo Guedes, os contratos estão sendo relativizados e descumpridos. Portanto, uma ofensa ao lema do liberalismo “laissez faire, laissez aller, laissez passer, le monde va de lui-même” (“deixe fazer, deixe ir, deixe passar, o mundo vai por si mesmo”).

Embora se posicionem como baluarte do capitalismo, contra o comunismo, Guedes e Bolsonaro não servem a nenhum dos dois sistemas econômicos. Eles são inservíveis numa perspectiva de desenvolvimento, seja pela direita, esquerda ou centro.

Seria desonestidade intelectual dos “agentes econômicos” atribuir à Codi-19 a atual depressão no mercado brasileiro. Ela é preexistente, qual seja, já era sabida e enxergada por nós desde a famigerada reforma trabalhista, congelamento de investimentos na saúde e na educação, agravada pela reforma da previdência, dentre outras medidas que visaram concentrar renda nas mão de banqueiros e rentistas, que ferravam os trabalhadores e a população.

Dito isso, uma pesquisa da empresa Sigalei, a pedido do Estadão, rastreou 352 propostas já em estudo no Congresso, em 15 Assembleias Legislativas e na Câmara Municipal de São Paulo que propõem de corte de juros em empréstimos a suspensão de pagamento por serviços públicos essenciais e redução no preço das mensalidades escolares durante a pandemia.

Os dados da Sigalei – empresa de inteligência de tecnologia política e regulatória – mostram que, apenas na área de serviços essenciais (água, energia, telefonia e internet), há 160 projetos que tratam, entre outros assuntos, de proibição de cortes de fornecimento, suspensão de cobranças e estabelecimento de gratuidade em alguns serviços. Na maioria dos casos, porém, não há estudos do impacto das medidas sobre as empresas fornecedoras. Na prática, não se sabe quem pagará a conta.

“É a institucionalização da insegurança jurídica”, diz a economista Luciana Yeung, professora do Insper. Pesquisadora na área de Análise Econômica do Direito, ela afirma que a quebra de contratos pode gerar dificuldades para a recuperação de empresas em diversos setores.

Na prática, o que dizem a Sigalei e o Estadão é o seguinte: Guedes e Bolsonaro podem ser tudo, menos liberais. Eles preveem que a proliferação de propostas legislativas que podem levar à quebra de contratos é uma resposta política à crise econômica e social no País.

Como foi dito antes, o Brasil vive um colapso econômico, mas pode ainda ser piorado por se transformado no novo epicentro mundial do coronavírus.

O Brasil com 233.511 casos confirmados e 15.662 mortes, é o quinto país com mais coronavírus. Os dados são da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde.

Definitivamente, o “neoliberalismo” sucumbiu mais uma vez. Que venha [de volta] o “Welfare State” –o Estado de Bem-Estar Social.