Juiz federal Marcelo Bretas é internado com o Coronavírus

O juiz federal Marcelo Bretas está internado na Casa de Saúde São José, na Zona Sul do Rio de Janeiro, com Covid-19.

O magistrado ligado à força-tarefa da lava jato afirmou para a Revista Época que está bem, mas preferiu buscar um hospital ao perceber que não melhorava.

“Estou bem. Estava tratando em casa, mas foi preciso internar. Os quartos aqui são adaptados, semi-UTI, caso haja necessidade”, contou.

Bretas não está entubado e não tem previsão de alta ainda.

As informações da Revista Época.

Bolsonaro acusa Moro de vazar de informações sigilosas

O presidente Bolsonaro mostrou a jornalistas, nesta terça-feira (5), um trecho de uma troca de mensagens dele com o ex-juiz Sergio Moro, para tentar provar que ele não estava tentando interferir na Polícia Federal.

Bolsonaro também acusou Moro de divulgar informações reservadas do governo para a imprensa.

“O Sergio Moro foi correndo entregar o telefone para a Globo. Inclusive, ele tinha peças de relatórios pessoais de coisas que eu passava para ele. Entregar para a Globo isso? Isso é um crime federal, talvez em curso na Lei de Segurança Nacional”, afirmou Bolsonaro.

O presidente se referia a uma troca de mensagens revelada pelo ex-ministro ao Jornal Nacional, da TV Globo, no último dia 24 de abril.

De acordo com a reportagem da emissora, o presidente teria enviado uma matéria do site O Antagonista para o ex-ministro para justificar o pedido de troca de comando da Polícia Federal.

A matéria do site falava sobre a investigação, em inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), de “10 a 12” parlamentares aliados do governo.

“Isso realmente eu passei pra ele“, disse o presidente. Em seguida, ele mostrou parte da troca de mensagem entre os dois na qual Sergio Moro classifica como “fofoca” a notícia sobre a investigação de parlamentares aliados do presidente. “É sinal que ele teve acesso ao processo, e diz que é fofoca”, acrescentou o presidente.

Bolsonaro também disse que o ex-ministro vazava informações que poderiam ter caráter confidencial. “Eu confiava nele, tanto é que passava passava extrato de informações com chefes de Estado e com inteligência de fora do Brasil”.

Sobre a investigação aberta pela PGR, Bolsonaro afirmou:

“Vou ler com atenção o processo, talvez esteja o meu advogado hoje a noite aqui, para poder responder as demais acusações. Se bem, pelo que parece, em nenhum momento ele fala que eu cometi crime. E sim, o MP [Ministério Público], o ministro do Supremo, que é o dono do inquérito, deve me investigar, ouvir ministros e outras pessoas para dizer se talvez eu cometido um crime”.

Bolsonaro jura que nunca tentou interferir na Polícia Federal.

“Eu cobrei do serviço de inteligência da Aeronáutica, da Marinha, do Exército, da Abin [Agência Brasileira de Inteligência]…cobrei da Polícia Federal, relatórios de inteligência. Eu cobrei de público, tinha uns 20 ministros presentes, mais presidentes de bancos. Cobrei relatórios de inteligência, para que eu quero relatório de inquérito? Minha vida esta aí à disposição de vocês. Não tem acusação de corrupção [contra mim]”.

Por enquanto, quem vai vencendo essa briga, é a própria briga. E muita gente torce por ela. Uma coisa há que ser lembrada, não seria a primeira vez que Moro cometeria esse tipo de ilegalidade contra um presidente. Lembram da Dilma??

Com informações da Agência Brasil. 

#DesMOROnou: Bolsonaristas e Lulistas unidos contra Moro

O ex-juiz Sérgio Moro virou ‘saco de pancadas’ dos robôs bolsonaristas desde que saiu do governo Bolsonaro atirando no presidente.

E hoje (5), com a divulgação do depoimento de Moro à Polícia Federal, ele passou a ser criticado ao mesmo tempo pela extrema-direita e pela esquerda. A hashtag #DesMOROnou  é a mais comentada nesta noite de terça-feira.

O bolsonarista Allan dos Santos publicou um vídeo e escreveu: “O #DesMOROnou só queria sair da quarentena e tomar uma com os amigos de Curitiba.”

Trajano comemorou o fato de Moro não ter acusado Bolsonaro de nenhum crime:  “#DesMOROnou Finalmente uma hash que faz sentido! Infelizmente moro sujou sua biografia e não trouxe nenhuma prova concreta. A divulgação “privilegiada” por parte da CNN apenas ferrou o pobre coitado.”

Prodígio elogiou antes de atacar: “Era uma vez um juiz que ajudou na mais importante operação contra corrupção do país e colocou um ex presidente na cadeia. Ele deu um passo além, virou um grande ministro. Mas esse mesmo juiz queria mais e aceitaria até vender sua biografia aos demônios e assim fez e #DesMOROnou”

Mas também há mensagens que igualam Moro e Bolsonaro:

A separação de Moro e Bolsonaro vai trazer um bom desgaste para ambos, mesmo que a Globo e a velha mídia insistam em inflar a bola do ex-juiz.

Após vazamento de depoimento de Moro, STF autoriza oitiva dos ministros Heleno, Braga Netto e Ramos

O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Celso de Mello, autorizou na tarde desta terça-feira (5) o pedido da Procuradoria Geral da República para que sejam ouvidos os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Braga Netto (Casa Civil) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). Além deles, serão ouvidos a deputada Carla Zabelli (PSL) e os delegados Alexandre Ramagem e Marcelo Valeixo.

A autorização ocorre minutos depois da divulgação do depoimento do ex-ministro Sergio Moro, em que ele recomenda que algumas autoridades públicas, inclusive os ministros militares, sejam ouvidos sobre a suposta interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

Caso as partes não prestem depoimentos de forma voluntária, em data e local a serem marcados, Celso de Mello impôs a medida de condução coercitiva para garantir as oitivas autorizadas.

LEIA TAMBÉM
Humberto Costa defende “lockdown” para frear pandemia no País

#AoVivo: Lula puxa debate sobre crise do coronavírus, enquanto Bolsonaro está nem aí

Gleisi desanca senadores pelo congelamento nos salários de servidores públicos; assista

Celso de Mello também autorizou a entrega de gravação de reunião em que os ministros testemunharam ameaça de Bolsonaro contra Moro. O ministro do STF também suspendeu o sigilo do inquérito.