Imprensa francesa diz que Bolsonaro é “ditador incompetente” e “volta a dar show”

A imprensa francesa repercute nesta segunda-feira (25) o agravamento da crise sanitária no Brasil e a decisão do presidente Donald Trump de proibir a entrada no território americano de viajantes provenientes do Brasil, por conta do crescimento dos casos da Covid-19. A insistência de Bolsonaro em andar na contramão do mundo fez o jornalista especialista em geopolítica Bernard Guetta chamar o presidente brasileiro de “ditador incompetente”, no canal de TV France 5.

“Dada a progressão da pandemia no Brasil, a decisão de Trump é um grande golpe para Jair Bolsonaro, um dos aliados mais próximos do presidente americano”, diz a publicação Courier International.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro lidera aglomeração antidemocrática em Brasília

Risco Bolsonaro transforma Real uma moeda tóxica, diz Folha

Mercado financeiro prevê queda de 5,89% no PIB em 2020

O site Huffington Post, o jornal Le Monde e o canal de TV LCI destacam que apesar de o Brasil ter se tornado o segundo país em casos de coronavírus no mundo, com mais de 363 mil infectados e quase 23 mil mortos, Bolsonaro voltou a se exibir neste domingo (24) com seus apoiadores, em Brasília, abraçando pessoas sem respeitar o distanciamento social preconizado para evitar o contágio.

“O país dele é de longe o mais afetado pela Covid-19 na América do Sul. Apesar disso, Bolsonaro continua a minimizar o impacto do vírus. Ele participou de uma manifestação com seus simpatizantes, desrespeitando as regras sanitárias, de distanciamento físico e foi logo tirando a máscara”, critica reportagem do canal LCI.

Como o presidente dos Estados Unidos, Bolsonaro minimiza a pandemia de coronavírus, comparando a doença a uma “gripezinha” e argumentando que medidas de contenção prejudicam desnecessariamente a maior economia da América Latina, lembra o Huffington Post.

“Show”
O jornal Le Parisien diz que Bolsonaro “voltou a dar seu show”, ao retirar a máscara e abraçar seguidores. O diário lembra que Bolsonaro é alvo de uma “investigação explosiva”, que busca apurar “ingerência” na Polícia Federal. O diário explica que os agentes de segurança do presidente usavam máscaras, mas o chefe de Estado retirou a dele para “trocar apertos de mãos, posar para fotografias e até carregar uma criança”, menosprezando as regras sanitárias de distanciamento social, critica o Le Parisien.

“Ao mesmo tempo, a decisão de Donald Trump de proibir a entrada de viajantes do Brasil nos Estados Unidos causou muitas reações”, acrescenta o jornal, assinalando que as atitudes de Bolsonaro têm sido criticadas no país, principalmente a forma como ele administra a crise da saúde”, destaca a reportagem.

por RFI

Financial Times: Jair Bolsonaro está levando o Brasil ao desastre

O jornal britânico Financial Times afirma nesta segunda-feira (25) que o populismo de Jair Bolsonaro está levando o Brasil ao desastre.

Segundo texto assinado pelo premiado jornalista Gideon Rachman, se a vida fosse um conto de moral, as travessuras do Covid-19 voltariam os brasileiros contra o presidente populista de extrema direita.

De acordo com o FT, o presidente Jair Bolsonaro é responsável pela resposta caótica que permitiu que a pandemia saia do controle e o Brasil seja o novo epicentro mundial do coronavírus.

Leia a íntegra do artigo de Gideon Rachman*:

O populismo de Jair Bolsonaro está levando o Brasil ao desastre

Em uma visita ao Brasil no ano passado, conversei com um importante financiador sobre os paralelos entre Donald Trump e Jair Bolsonaro.

“Eles são muito parecidos”, disse ela, antes de acrescentar: “Mas Bolsonaro é muito mais estúpido.” Essa resposta me surpreendeu, pois o presidente dos EUA geralmente não é considerado um intelecto imponente. Mas meu amigo banqueiro foi insistente. “Olha”, disse ela. “Trump administrou um grande negócio. Bolsonaro nunca superou o capitão do exército.”

A pandemia de coronavírus me lembrou essa observação. O presidente do Brasil adotou uma abordagem surpreendentemente semelhante à de Trump – mas ainda mais irresponsável e perigosa. Ambos os líderes ficaram obcecados com as propriedades supostamente curativas da droga antimalárica hidroxicloroquina. Mas enquanto Trump está apenas tomando o produto , Bolsonaro forçou o Ministério da Saúde brasileiro a emitir novas diretrizes, recomendando o medicamento para pacientes com coronavírus. O presidente dos EUA brigou com seus consultores científicos. Mas Bolsonaro demitiu um ministro da saúde e provocou sua demissão . Trump manifestou simpatia pelos manifestantes anti-bloqueio; Bolsonaro abordou seus comícios.

Infelizmente, o Brasil já está pagando um preço alto pelas palhaçadas de seu presidente – e as coisas estão piorando rapidamente. O coronavírus atingiu o Brasil relativamente tarde. Mas o país tem a segunda maior taxa de infecção do mundo e a sexta maior taxa de mortes por Covid-19. O número de mortes no Brasil, responsável por aproximadamente metade da população da América Latina, agora está dobrando a cada duas semanas, em comparação com a cada dois meses no Reino Unido atingido.

A composição econômica e social do Brasil significa que o país será severamente atingido à medida que a pandemia se acelera. O sistema hospitalar em São Paulo, a maior cidade do Brasil, já está perto do colapso. Com grande parte da população vivendo em condições de lotação e sem poupança, o desemprego em massa pode levar a fome e desespero nos próximos meses.

Mas é justo culpar Bolsonaro? O presidente, que assumiu o cargo em 1º de janeiro de 2019, obviamente não é responsável pelo vírus – nem pela pobreza e superlotação que tornam o Covid-19 uma ameaça ao país. Ele também não foi capaz de impedir que muitos governadores e prefeitos do Brasil imponham bloqueios em áreas locais. Mas incentivando seus seguidores a desrespeitar os bloqueios e minando seus próprios ministros, Bolsonaro é responsável pela resposta caótica que permitiu que a pandemia saia do controle. Como resultado, os danos à saúde e à economia sofridos pelo Brasil provavelmente serão mais severos e mais profundos do que deveriam ter sido. Outros países que enfrentam condições sociais ainda mais difíceis, como a África do Sul, tiveram uma resposta muito mais disciplinada e eficaz.

Se a vida fosse um conto de moral, as palhaçadas de Bolsonaro contra o coronavírus levariam o Brasil a se voltar contra seu presidente populista. Mas a realidade pode não ser tão simples.

Não há dúvida de que Bolsonaro está com problemas políticos. Seus índices de popularidade caíram e agora estão abaixo de 30%; cerca de 50% da população desaprova seu tratamento da crise. O apoio que ele desfrutou dos conservadores tradicionais – que estavam desesperados para ver a parte de trás do partido dos trabalhadores de esquerda – agora está desmoronando. Sergio Moro , seu popular ministro da Justiça que luta contra a corrupção, renunciou no mês passado. As alegações de Moro sobre os esforços do presidente para interferir nas investigações policiais foram suficientemente explosivas para provocar o Supremo Tribunal a abrir uma investigação que poderia levar ao seu impeachment.

Mas o impeachment no Brasil é tanto um processo político quanto um processo legal. Os delitos que levaram à remoção de Dilma Rousseff como presidente em 2016 foram bastante técnicos. Foi mais significativo que Dilma Rousseff tenha atingido um índice de aprovação de 10% nas pesquisas e a economia tenha sofrido uma recessão profunda. As classificações de Bolsonaro ainda estão muito acima do nadir de Dilma. E, embora a economia esteja indubitavelmente caminhando para uma profunda recessão e um aumento no desemprego, sua retórica anti-lockdown pode lhe dar alguma proteção política. Oliver Stuenkel, professor da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo, diz: “O que Bolsonaro quer fazer é se desassociar da crise econômica que se aproxima.”

As medidas de isolamento social que Bolsonaro desmente, podem realmente ajudá-lo politicamente. Eles poderiam impedir as manifestações em massa que deram o impulso para o impeachment de Dilma Rousseff. E tornarão mais difícil para os políticos tramarem e negociarem nas proverbiais “salas cheias de fumaça” – um processo necessário para unir um impeachment bem-sucedido. Plotar pelo telefone não é o mesmo. Alguns políticos podem achar que mergulhar o Brasil em uma crise política é indecoroso, no meio de uma pandemia.

No entanto, a unidade nacional não surgirá enquanto Bolsonaro for presidente. No estilo populista clássico, ele vive da política da divisão. O Brasil já é um país profundamente polarizado, onde as teorias da conspiração são abundantes. As mortes e o desemprego causados ​​pelo Covid-19 são exacerbados pela liderança de Bolsonaro. Mas, perversamente, um desastre econômico e de saúde poderia criar um ambiente ainda mais hospitaleiro para a política do medo e da irracionalidade.

Texto publicado pelo Financial Times.

*Gideon Rachman é um jornalista britânico. Ele se tornou o principal comentarista de assuntos externos do Financial Times em julho de 2006. Em 2016, ganhou o prêmio Orwell de jornalismo político. No mesmo ano, ele foi nomeado comentarista do ano no European Press Prize Awards.