#EuNãoMeCalo: Jornalistas protestam contra Bolsonaro nas redes

Após mais um episódio de desrespeito do presidente Bolsonaro contra os jornalistas, gritando e mandando “calar a boca”, os profissionais resolveram se manifestar nas redes sociais.

Foi criada a hashtag #EuNãoMeCalo no Twitter. Confira algumas das postagens:

Fabio Pannunzio escreveu: “39 anos de jornalismo, com muito orgulho. @jairbolsonaro, a mim você não cala. #eunaomecalo

Rodrigo Gini escreveu: “Eu me junto aos inúmeros colegas jornalistas pelo direito à informação, ao questionamento, ao respeito. E contra qualquer tipo de desequilíbrio. Nada se ganha no grito. #EuNãoMeCalo

A tag ainda está decolando e deve subir durante toda a tarde na medida da repercussão do ataque de Bolsonaro à imprensa.

Bolsonaro protagoniza novo show de horror na saída do Palácio da Alvorada; assista

O presidente Bolsonaro protagonizou um novo show de horror na saída do Palácio Alvorada na manhã desta terça-feira (5).

Ele estava segurando a manchete da Folha de São Paulo que diz: Novo diretor da PF assume e acata pedido de Bolsonaro”

A manchete se refere à troca do superintendente da Polícia Federal do Rio de Janeiro. Essa foi a primeira ação do novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Souza após ser empossado ontem.

O jornalista Flávio Costa compartilhou o vídeo pelo Twitter e comentou: “Hoje pela manhã ⁦@jairbolsonaro⁩ chamou mais uma vez a ⁦@folha⁩ de canalha e por duas vezes mandou os jornalistas que tentavam entrevistá-lo calarem a boca.”

O descontrole de Bolsonaro é a real medida da encrenca em que ele e sua família estão metidos.

Novo diretor da Polícia Federal troca superintendente do Rio de Janeiro

O novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Souza, já chegou mostrando serviço e trocando o chefe da superintendência da PF no Rio de Janeiro,

Carlos Henrique Oliveira, que ocupava o cargo, foi convidado para ser o diretor-executivo, número dois na hierarquia do órgão. A decisão atende aos desejos da família Bolsonaro sem desprestigiar Oliveira.

O ex-juiz Sérgio Moro afirmou que Bolsonaro queria trocar os superintendentes no Rio e em Pernambuco para que pudesse interferir politicamente nas investigações.

A própria posse de Rolando Souza foi feita às pressas para que não houvesse chance de ele ser derrubado antes de “sentar na cadeira”. O termo de posse de Rolando foi assinado poucos minutos depois da edição extra do Diário Oficial com a nomeação.

Com informações da Folha de São Paulo.

“Bolsonaro apequena a PF e transforma-a em ‘braço político'”; diz Boulos

O presidente Bolsonaro nomeou Rolando Alexandre de Souza para exercer o cargo de Diretor-Geral da Polícia Federal nesta segunda-feira (4) mas a nomeação não pegou muito bem.

Rolando era secretário de Planejamento e Gestão da Abin, ou seja, era assessor de Alexandre Ramagem na Agência Brasileira de Inteligência.

Nada que desabone o currículo dele, mas a escolha não deixa dúvidas sobre as reais intensões do presidente Bolsonaro.

Guilherme Boulos escreveu: Bolsonaro nomeou Rolando Alexandre, assessor de Ramagem na Abin, para dirigir a PF. Ou seja, em vez do amigo do Carluxo, o sub do amigo do Carluxo. Apequena a Polícia Federal e mantém a linha de usá-la como braço político.

LEIA TAMBÉM
Urgente: STF revoga nomeação de amigo da família Bolsonaro na P

Lula: ‘Falta respeito de Bolsonaro com as vítimas do coronavírus’

Há 5 anos, Beto Richa massacrava os professores no Centro Cívico de Curitiba

Ou seja, já que não pode ter Ramagem para interferir na Polícia Federal, Bolsonaro resolveu por um preposto do chefe da Abin.