Dia da Enfermagem: Brasil é o país com mais mortes de enfermeiros por Covid-19

Nesta terça-feira (12), comemora-se o Dia Internacional da Enfermagem. Em tempos de pandemia, a importância do trabalho desses profissionais não poderia estar mais clara: são eles que recebem os infectados, os acolhem e checam diariamente suas condições físicas, emocionais e psicológicas.

São eles também, muitas vezes, as últimas pessoas que têm contato com aqueles que não resistem à doença. A coragem e honradez da profissão têm sido motivo de homenagens por todo o mundo.

Mas, na realidade, a situação desses profissionais tem poucos motivos para comemoração. Os riscos para os profissionais aumentaram.

Até agora, no Brasil, há mais de 160 mil infectados, sendo cerca de 12 mil enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, segundo o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). Todos foram afastados com suspeita ou confirmação de terem contraído o novo coronavírus; e 94 já perderam a própria vida.

O Brasil hoje é o primeiro país do mundo em mortes de profissionais de enfermagem, superando os Estados Unidos, Espanha e Itália juntas.

O número de profissionais mortos no país em decorrência do novo coronavírus representa cerca de 38% do número de mortes em todo o mundo, contabilizado em 260 casos pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

No Brasil, há mais de 30 anos a categoria vem lutando pela redução de jornada de 30 horas semanais, adequação fundamental para amenizar a sobrecarga e stress próprias das funções.

“As pessoas tratam como linha de frente, mas eu particularmente não gosto muito desse tratamento porque o dia a dia conta mais. Temos instituições com um único enfermeiro tratando 44 pacientes em 12 horas. Poderia ter um investimento maior em área de trabalho”, afirma Isadora Renata, auxiliar de enfermagem que atua na área de pediatria e saúde da família.

Hoje, o Brasil conta com mais de 2 milhões de profissionais dessa área – enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem. Porém, segundo a OMS, há déficit de profissionais nessas áreas em todo o mundo. No relatório mais recente lançado pela organização, em abril deste ano, a estimativa é de carência de 6 milhões de profissionais. Nas Américas, o déficit seria em torno de 800 mil trabalhadores.

Um dos motivos que explica tal cenário é justamente porque faltam boas condições de trabalho: as jornadas são muito longas, os salários insuficientes e os riscos muito altos.

“É a única categoria que atua 24 horas diretamente com o paciente. Estamos adoecendo muito por conta da jornada extensa. Ficamos aí muitas e muitas horas expostas, muito mais do que qualquer profissional”, aponta Viviane.

Causa comum para a contaminação é a falta de equipamentos de proteção individual, ou a quantidade insuficiente desses itens ou ainda a qualidade dos materiais.

“A gente trabalha em situações adversas. Muitas vezes com equipamentos de proteção, no caso da covid-19, inadequados, escassos, sem treinamento”, afirma Souto, que é responsável pela fiscalização do uso dos EPIs nas instituições de saúde.

A falta de atenção dada a esses profissionais no Brasil fica mais clara quando comparados com as condições de outros países. No País, os profissionais da enfermagem têm ainda de lidar com ataques e perseguição.

Um caso emblemático aconteceu no último dia 1º, em Brasília, onde profissionais da saúde foram atacados por militantes bolsonaristas enquanto realizavam uma manifestação simbólica e pacífica, reivindicando melhores condições de trabalho.

Com informações do Brasil de Fato e Vermelho.

Instagram ‘apaga’ fake news de Bolsonaro sobre mortes pelo coronavírus

A rede social Instagram excluiu nesta segunda (11) uma postagem do presidente da República, Jair Bolsonaro, que divulgava uma informação falsa sobre os números do coronavírus no país.

A postagem de Bolsonaro fazia uma relação entre o número de mortes por doenças respiratórias em 2019, quando ainda não existia a ocorrência do coronavírus, com os números atuais da pandemia – que surgiu no país somente em janeiro de 2020.

“Toda vida importa! Entretanto há algo muito estranho no ar”, escreveu Bolsonaro.

Em abril, vídeos onde o presidente circulava por Brasília em meio à pandemia foram excluídos pelo Facebook.

LEIA TAMBÉM:

Temer ‘cutuca’ Bolsonaro e diz que decretaria 12 dias de quarentena no mínimo

PT diz que Bolsonaro arma nova farsa contra o partido e a democracia

Brasil pode ter mais de 1,6 milhões de casos de coronavírus, diz estudo

O governo Bolsonaro faz uma campanha sistemática contra as medidas de distanciamento social usadas para conter a expansão da pandemia do coronavírus.