China realiza Congresso Nacional do Povo após adiar por meses

A China abriu nesta quinta-feira (21) o 13º Congresso Nacional do Povo, o maior evento político do país. A realização do evento sofreu um atraso de mais de dois meses por causa do coronavírus.

Em reconhecimento ao impacto causado pela pandemia, Pequim decidiu não anunciar uma meta de crescimento econômico para este ano.

O premiê Li Keqiang fez um discurso diante de milhares de representantes que se reuniram em Pequim, vindos de todo o país. Todos os participantes tinham que fazer um teste para a detecção do vírus antes do encontro.

LEIA TAMBÉM:
URGENTE: Ministro Celso de Mello pede a apreensão dos telefones de Bolsonaro e Carluxo

Governo Bolsonaro é desaprovado por 70,4% em Salvador (BA), diz pesquisa

Lula recebe o 36º título de Doutor Honoris Causa na Argentina

Apesar dos efeitos adversos causados pelo coronavírus, que provocou a morte de aproximadamente 4.600 pessoas na China e levou ao aumento da tensão com os Estados Unidos, Li disse que havia sido obtida uma grande conquista estratégica sob a liderança do presidente Xi Jinping.

Entretanto, o comentário de Li indica a gravidade da situação econômica no país. Não é muito comum Pequim optar pelo não estabelecimento de uma meta para a economia chinesa.

O premiê enfatizou que o governo irá dar enfoque para estabilizar negócios e empregos, por meio da redução de impostos e auxílio financeiro, entre outras medidas. Ele revelou também que serão emitidos títulos do governo no valor de cerca de 140 bilhões de dólares para lidar com o coronavírus.

O governo chinês tem afirmado que os gastos com a defesa do país em 2020 terão um aumento de 6,6 por cento em relação ao ano passado.

As informações são da NHK, emissora de TV pública do Japão.