Carluxo ataca O Antagonista

O vereador Carlos Bolsonaro, o Carluxo, deu uma sapecada na manhã desta segunda-feira (4) no site de extrema direita O Antagonista.

O Zero Dois, filho do presidente Jair Bolsonaro, chamou a publicação de “blog de 4 linhas” e disse que O Antagonista não ganhou a Secretaria Especial da Comunicação da Presidência da República.

“[Por isso] vem perdendo informantes desde então”, escreveu Carluxo.

Segundo Carlos Bolsonaro, o Antagonista tinha um plano que mais uma vez não se concretiza [controlar a Secom e as verbas do governo federal].

O time do filho do presidente Bolsonaro prefere o site, também de direita, chama “Brasil Com Medo”, do guru e astrólogo Olavo de Carvalho.

Já o site O Antagonista tem tesão de argola pelo ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro a Rede Globo em nota oficial; confira a íntegra

Globo e grupos neofascistas lançam ‘campanha presidencial’ de Moro

Bolsonaro nomeia novo Diretor-Geral da Polícia Federal vindo da Abin

Eduardo Bolsonaro comete crime de homofobia para defender manifestação antidemocrática do pai

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o Zero Três, abriu fogo contra os LGTBs para justificar a manifestação antidemocrática liderada por seu pai, Jair Bolsonaro, presidente da República.

Bolsonaro pai comandou neste domingo (3), em Brasília, protesto contra o Congresso, STF e a imprensa. Vários repórteres que cobriam o evento sofreram agressões de seus seguidores.

“Protestos democráticos são esses aí das imagens, talkei?”, postou no Twitter Eduardo Bolsonaro, o “Dudu Bananinha“, anexando fotos de performances gays em manifestações LGTBs.

O presidente e seus filhos são recorrentes à temática gay e eles se comportam de maneira homofóbica, o que pode ser configurada em crime. Desde junho de 2019, atos de homofobia e de transfobia são criminalizados no País.

Pelo entendimento do STF, a Lei do Racismo também pode alcançar os integrantes da comunidade LGBT e é compatível com a Constituição Federal.

Gays, lésbicas e afins nada tiveram com os protestos de hoje no DF, mas, mesmo assim, são usados pela família Bolsonaro como bodes expiatórios de suas frustrações sexuais, intelectuais e políticas.