Brasil passa de 20 mil mortos com 1.188 óbitos em 24 horas dia 21/05

O ministério da Saúde divulgou o balanço diário da pandemia de Coronavírus no Brasil com números assustadores nesta quinta-feira (21).

O país bateu novamente o recorde de mortes registradas em um dia com 1.188 óbitos. Também ultrapassamos a marca de 20 mil mortes registradas pela doença.

Os principais números são:

  • 1.188 mortes registradas nas últimas 24 horas;
  • 20.047 mortes desde o início da pandemia;
  • 310.087 casos confirmados;
  • 18.508 novos casos registrados nas últimas 24 horas.

Veja a tabela da situação por estado:

Em plena pandemia, governador do Paraná manda Polícia intimidar nativos da Ilha do Mel

A Ilha do Mel é um paraíso turístico do Litoral Paranaense com lindas praias, construções históricas e comunidades tradicionais de pescadores. Na Ilha não há carros nem estradas, só trilhas. O acesso é somente por barcos que partem de Paranaguá ou Pontal do Paraná.

Na manhã desta quinta-feira, 21, mais de 100 policiais militares chegaram de barco à Ilha do Mel para cumprir ação de fiscalização que, segundo eles, foi feita a partir de denúncia do Ministério Público de Paranaguá.

A ação ocorreu em área ocupada por comunidades tradicionais da região, com a alegação de crime ambiental. Porém, no local há autorização para moradia.

Os advogados que defendem as famílias denunciam que a ação foi desproporcional e contraria, inclusive, recomendações de não haver aglomeração em virtude da pandemia.

Desde 2007, as 35 famílias que ocupam a área já demarcada pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) para assentamento dos nativos da Ilha do Mel pedem realocação. A maior parte ocupa casas com mais de 15 pessoas, e cerca de 90% com crianças pequenas.

A ação policial aconteceu sem a apresentação de mandado judicial. Materiais de construção das casas foram levados e, algumas famílias, multadas. Apesar da tentativa de demolição das casas por parte dos policiais, advogada presente impediu que isso ocorresse.

A área não é de unidade de conservação, e sim “área de vila”, destinada à moradia dos nativos. Uma das advogadas que está defendendo as famílias, Flávia Rossito, explica que a ação está criminalizando as famílias. “Esses moradores reivindicam direito à moradia, direito ao território no lugar que sempre viveram.

O que está acontecendo é que o Estado está desconsiderando o decreto judicial 244/2020 que suspende as reintegrações de posse durante a pandemia”, explica. Para ela, “a saída encontrada pelo Estado foi entrar na ilha imputando crimes ambientais para legitimar ação policial.”

A ação pode ser já consequência do interesse do Estado em transformar a Ilha do Mel em região de especial interesse ambiental e turístico do Paraná. No dia 27 de abril, o governador Ratinho Jr (PSD) enviou à Assembleia Legislativa o Projeto de Lei (PL) 262/2020 com esta proposta.

Dentre as alterações, o PL quer adequar a reintegração de posse ao Estado, e não mais ao IAP. Mas o projeto ainda não foi votado.

As informações são do Brasil de Fato Paraná.

Ratinho Jr. obriga educadores a reabrirem as escolas do Paraná

O governador do Paraná, Ratinho Jr. (PSD), através da Secretaria de Estado da Educação e Esporte (Seed), publicou uma Resolução convocando os profissionais da educação para cumprirem expediente nas escolas públicas, mesmo sem a presença dos(as) estudantes.

A medida contraria o Decreto 4320/20 do próprio governador que estabelece o isolamento social no Paraná e expõe Professores, Pedagogos e Funcionários de Escola ao risco de contaminação pelo Coronavírus.

A APP-Sindicato, entidade representativa dos educadores, destacou que não existe a necessidade de convocar os servidores para abrir escolas e realizar atendimento da comunidade nesse período e que a medida coloca os(as) trabalhadores(as) da educação em risco.

O presidente da APP-Sindicato, Professor Hermes Leão, enfatiza que as escolas não devem ser abertas e que mesmo sem alunos(as) nas escolas, a chance de contágio é alta.

“Renato Feder e sua equipe não levam em consideração que muitos(as) profissionais terão que enfrentar aglomerações no transporte coletivo, além da exposição ao transitar em espaços fechados. Não podemos aceitar que a Seed desrespeite desta forma a vida dos milhares profissionais da educação”.

As informações são da APP-Sindicato

Bolsonaristas sem máscaras carregando um caixão; assista

Um dos flagrantes da manifestação bolsonarista em Brasília neste domingo (17) traz um grupo sem máscaras carregando um caixão (de quem?).

O vídeo foi compartilhado pelo deputado Ivan Valente (PSOL-SP), que escreveu: “Sem máscaras e com caixão. Necropolítica pura, esses são os apoiadores do Bolsonaro. São os que ele chama de representantes do povo, deixe nosso povo brasileiro honrado e trabalhador fora dessa. O povo de verdade não tem nada a ver com esse tipo de manifestação celerada.”

Com Bolsonaro, pandemia virou ‘grande experimento genocida’, diz ex-ministro da Saúde

Para o ex-ministro da Saúde Arthur Chioro, a segunda troca no comando da pasta, em menos de um mês, já seria “profundamente deletério” numa situação normal. Em meio ao “maior desafio sanitário” da história do país, por conta da pandemia de coronavírus, trata-se de uma “grande irresponsabilidade”. Sem estratégia para testar e acolher os doentes, a covid-19 virou “um grande experimento genocida” durante o governo Bolsonaro.

“O Brasil de Bolsonaro virou um grande experimento genocida. Já que o governo alega que não tem competência para testar, diagnosticar e acolher, vamos liberar geral. Quem sobreviver, fica por aí. Isso, para mim, se chama eugenia ou darwinismo social”, criticou Chioro em entrevista à Rádio Brasil Atual, nesta segunda-feira (18).

LEIA TAMBÉM
Felipe Neto, no Roda Viva, vai pedir impeachment de Bolsonaro

Ex-ministros de Lula, FHC e Sarney pedem ‘Fora Bolsonaro’ já; leia íntegra do manifesto

Impeachment de Bolsonaro só se justificaria com projeto econômico alternativo

De acordo com o balanço divulgado no último domingo (17), foram registradas 485 mortes registradas nas últimas 24 horas no país. Dois meses após a primeira morte pela doença, o total de casos chegou a 241.080, com 16.118 mortes.

Quando Nelson Teich assumiu o Ministério da Saúde, o Brasil havia registrado 2.143 mortes pelo novo coronavírus. Ao deixar a pasta, na última sexta-feira (15), o total de óbitos se aproximava a 14 mil. Para Chioro, o Brasil deve se tornar um epicentro mundial da doença nos próximos dias, atrás apenas dos Estados Unidos.

Determinações absurdas
Independentemente do nome que seja anunciado para comandar o ministério da Saúde, o indicado terá que cumprir duas “determinações absurdas” emanadas do presidente: “operar a fragilização do isolamento social e tentar colocar goela abaixo a prescrição de cloroquina para toda a população brasileira.” O ex-ministro destacou que nunca houve ingerência desse tipo no Ministério da Saúde.

Ele destaca que o país avançou de 100 mil a 200 mil casos em cerca de uma semana, o que demonstra que o forte ritmo de ascensão da doença. O total de casos deve dobrar novamente em curto período. Já o pico da doença, Chioro acredita que deve ocorrer “na segunda ou terceira semana de junho”. Mas “não é possível saber” o tamanho desse pico, nem se vai adentrar o mês julho.

Assista ao vídeo da entrevista:

Por RBA.

Compartilhe agora