Bonner nega que seu filho pediu auxílio emergencial: ‘É vítima e pode provar’

O apresentador do JN da Rede Globo, o jornalista William Bonner usou sua conta no Twitter nesta quinta-feira (21) para negar que seu filho, Vinícius, solicitou o auxílio emergencial do governo federal de R$ 600,00. “Meu filho não pediu auxílio nenhum, não autorizou ninguém a fazer isso por ele. Mais uma fraude, obviamente”, escreveu o apresentador.

Bonner relatou que há três anos estelionatários têm usado o CPF de Vinícius para cometer fraudes. “Constituí advogados para encerrar todas as falcatruas, devidamente denunciadas à polícia, com queixas registradas em boletins de ocorrência. A repetição de fraudes chegou ao ponto de tornar recomendável uma troca do CPF. Mas, no Brasil, a vítima de golpes dessa natureza precisa passar por uma longa provação, em que tempo e dinheiro se esvaem no desenrolar do processo burocrático”, esclareceu.

“Pelos critérios do programa de auxílio emergencial, alguém nas condições sócio-econômicas do meu filho não tem direito aos 600 reais da ajuda. Portanto, quem quer que viesse a usar o nome, o CPF e dados pessoais dele deveria receber como resposta ao pleito um ‘não’. Mas, pelo que vimos ao consultar o site do Dataprev, o pedido de auxílio feito por um fraudador foi aprovado. O fraudador provavelmente indicou que não tinha conta bancária e abriu a conta específica da Caixa – a que, obviamente, meu filho não tem acesso. Portanto, sequer sabemos se o dinheiro foi depositado e se foi sacado”, declarou.

LEIA TAMBÉM:

General Pazuello, que militarizou Saúde, quer Nelson Teich na assessoria

Senado vota hoje permissão para SUS usar leitos de rede privada

‘Sleeping Giants’ põe em xeque sites de ‘fake news’ da extrema direita

O jornalista nega que seu filho fraudou o programa e diz que vai provar a armação de criminosos. “É vítima e pode provar”. “Neste caso, o crime é contra ele, contra todos os que tiveram seus nomes indevidamente usados, e também contra todos os brasileiros, porque ataca os cofres públicos. De nossa parte, apresentaremos nova queixa-crime. Da parte dos gestores do auxílio emergencial, esperamos apuração rápida da fraude, para que se resguardem o patrimônio público e a confiança dos cidadãos nos mecanismos de controle desse programa”.