Dino Bolsonaro

Bolsonaro sabota nossos esforços contra a pandemia, diz Flávio Dino

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), classificou como “atitude sabotadora” a insistência do presidente Jair Bolsonaro de acabar com qualquer estratégia de isolamento social contra o contágio pelo novo coronavírus. “Estamos vendo uma atitude de sabotagem objetivamente liderada pelo próprio Bolsonaro. É possível que nossos esforços no sentido de maior prevenção, para salvar vidas, em larga medida se percam”, disse.

Para o governador, Bolsonaro põe em risco os esforços dos governadores, especialmente do Nordeste, onde a situação é mais difícil devido à histórica falta de investimentos em equipamentos de saúde, a vida de muitos brasileiros e também as finanças públicas.

“Seriam necessários menos investimentos se houvesse maior prevenção. Bolsonaro é aquele que mais empurra a economia brasileira a realizar mais gastos porque ele tenta impedir a nossa ação preventiva, especialmente aquelas recomendadas na seara internacional, referentes ao isolamento e distanciamento social”.

LEIA TAMBÉM:
América Latina tem mais de 500 mil infectados por Covid-19; Brasil é país mais afetado da região

Sistema de saúde em São Paulo pode entrar em colapso em 15 dias

Madero vê encalhe de sanduíches após declaração sobre mortes por coronavírus

As afirmações foram feitas durante mesa virtual do seminário Diálogos, Vida e Democracia, realizado ontem (16) pelo Observatório da Democracia. Além de Dino, participam os governadores do Pará, Hélder Barbalho (MDB); do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB); da Bahia, Rui Costa (PT), com mediação de Manoel Dias, Presidente da Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini. O Observatório da Democracia nasceu de questionamentos levantados durante os encontros de um grupo formado pelas fundações partidárias Cláudio Campos (PPL), Lauro Campos (Psol), João Mangabeira (PSB), Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (PDT), Maurício Grabois (PCdoB), da Ordem Social (PROS) e Perseu Abramo (PT).

Na avaliação de Flávio Dino, a pandemia da covid-19 é uma bifurcação para a humanidade. Um sentido dá acesso a uma “saída civilizacional”, e outro, à barbárie. “Devemos perseverar no isolamento, manter clima de unidade e união mais ampla possível com quem queira o mesmo. E ao mesmo tempo abrir leitos, trabalhar por medidas protetivas e olhar para o futuro”.

União federativa
O governador da Bahia, Rui Costa (PT), disse invejar outros presidentes e primeiros-ministros que colocaram divergências de lado para enfrentar as pandemia e para planejar os pós-pandemia. “Bolsonaro já atacou grandes nações, como a China, a França, a Argentina e agora ataca a OMS. Com os governadores não é diferente. A ajuda aos governadores foi aprovada na Câmara mas continua na gaveta dele”.

A Bahia precisa de 1300 leitos de UTI. Hoje tem apenas 362. A demanda aumenta. Rui Costa destacou o trabalho de convencimento que tem para os prefeitos apoiarem o isolamento. Citou um município, à beira da BR, resistente. Há dois dias, recebeu telefonema do gestor, desesperado, com os óbitos que começam a aumentar na cidade. Não foi falta de aviso.

No entanto, o governador baiano está otimista em relação ao fortalecimento da federação, de 2015 para cá, que inclui a criação do Consórcio do Nordeste, em 2018, e que culminou com a resistência à política de Bolsonaro para a pandemia.

“Essa união dos governadores pode ajudar o Brasil após o pico da pandemia, para projetos que reabilitem a economia”.

Reserva de 1 trilhão
O governador do Pará, Helder Barbalho, cobrou mais envolvimento e compromisso do governo federal. Ele defende que a União utilize imediatamente a reserva de R$ 1 trilhão para garantir renda para pessoas vulneráveis respeitarem o isolamento. “Ou então que emita moeda e atenda 60 milhões de pessoas desalentadas”.

De acordo com o governador paraense, o estado está utilizando R$ 200 milhões de recursos próprios para essa finalidade, cobrando juros de 0,2%, três meses de carência e três anos de amortização. São beneficiados pequenos empresários e trabalhadores informais. Além disso, beneficia 551 alunos da rede estadual com R$ 80.

“Este é um momento de convocação nacional. Não devemos imaginar que nossas diferenças possam tomar nossas forças, mesmo que seja difícil dialogar, temos de buscar e fazer a sociedade compreender o momento. E sobretudo se inspirar na experiência de outros países que fizeram o isolamento bem feito e começam aos poucos a retomar a economia. Nosso único inimigo tem de ser o novo coronavírus.”

Assista ao vídeo do seminário:

Por RBA