Bolsonaro nomeia novo Diretor-Geral da Polícia Federal vindo da Abin

O presidente Bolsonaro nomeou em edição extra do Diário Oficial da União nesta segunda-feira (4) Rolando Alexandre de Souza para exercer o cargo de Diretor-Geral da Polícia Federal.

Rolando é o número dois a Agência Brasileira de Inteligência; sendo, portanto, muito próximo de Alexandre Ramagem, que é o chefe da Abin. Ramagem foi nomeado para a PF na semana passada mas foi impedido pelo Supremo Tribunal Federal de assumir o cargo.

LEIA TAMBÉM
Urgente: STF revoga nomeação de amigo da família Bolsonaro na P

Lula: ‘Falta respeito de Bolsonaro com as vítimas do coronavírus’

Há 5 anos, Beto Richa massacrava os professores no Centro Cívico de Curitiba

Ou seja, já que não pode ter Ramagem para interferir na Polícia Federal, Bolsonaro resolveu por um preposto do chefe da Abin. Com isso, ele garante o controle do órgão e

STF revoga nomeação de amigo da família Bolsonaro na PF
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, revogou nesta quarta-feira (29) a nomeação de Alexandre Ramagem, amigo do família Bolsonaro, para a direção-geral da Polícia Federal.

A decisão está no âmbito de um mandado de segurança impetrado ontem pelo PDT como forma de impedir a posse de Ramagem, que havia sido marcada para acontecer às 15h desta quarta-feira.

“Defiro a medida liminar para suspender a eficácia do decreto [de nomeação] no que se refere à nomeação e posse de Alexandre Ramagem Rodrigues para o cargo de Diretor-Geral da Polícia Federal”, diz a decisão do ministro do STF.

Uma das alegações que sustentam o pedido é a declaração do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, de que Bolsonaro pretende interferir politicamente na PF para ter influência nas investigações da organização.

Globo e grupos neofascistas lançam ‘campanha presidencial’ de Moro
O ativista social Milton Alves escreve que a Rede Globo e grupos empresariais neofascitas tentam substituir o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, no seu projeto político de extrema direita.

“É necessário levar em conta o fator Moro”, alerta o articulista.

Para Milton Alves, subestimar o ex-juiz da Lava Jato na arena eleitoral será repetir o erro grave que a direita tradicional e a esquerda cometeram quando defendiam a tese de que Bolsonaro seria derrotado por qualquer candidato em um eventual segundo turno nas eleições presidenciais de 2018.

Leia a íntegra do artigo:

Globo e grupos neofascistas lançam ‘campanha presidencial’ de Moro

Por Milton Alves*

O mesmo modus operandi, as mesmas fontes de financiamento, as mesmas digitais programáticas, que outrora impulsionaram a nascente campanha presidencial do então deputado federal Jair Bolsonaro em 2017-2018, convergem para estruturar um braço político para o ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

Trata-se de uma operação política que aposta as suas fichas no esboroamento do governo Bolsonaro e prepara a construção narrativa para consolidar o “herói” redentor que vai combater a corrupção dos políticos, o petismo, defender o liberalismo econômico e zelar pela segurança dos brasileiros – motes principais da pregação do ex-comandante da Lava Jato.

Movimentos e grupos como “Brasil Estou Aqui”, “Laços de Apoio ao Brasil”, “Lava Togas” e “Vem Pra Rua” constituem o núcleo inicial das tropas moristas, que enfrentam no momento uma guerra pelo espólio da narrativa que catapultou Bolsonaro à Presidência da República.

Além dessa estrutura subterrânea, o “morismo” conta com os poderosos canhões de luz da Rede Globo, projetando Moro diariamente em seus telejornais. E também com uma vasta rede de apoio organizada nas diversas instâncias do aparelho judiciário e dos órgãos de controle, inclusive na Polícia Federal – foco inicial do rompimento com o governo de Bolsonaro.

Essa nascente “tropa de choque” de Moro não se fez de rogada e já mostrou neste sábado (2) que tem a disposição de brigar pela imagem de seu líder. Todos viram nas redes sociais as cenas do pugilato entre os apoiadores de Bolsonaro e de Moro na frente da sede da Polícia Federal no bairro da Santa Cândida, zona norte de Curitiba – local que testemunhou a saga da Vigília Lula Livre.

Neste feriado prolongado de 1º de maio, outdoors de apoio ao ex-ministro Sergio Moro apareceram em diversas regiões de Curitiba, principalmente nos bairros da classe média alta curitibana como Jardim Social, Batel, Bigorrilho-Champagnat, Alto da XV, Mercês, Juvevê, Bom Retiro e Jardim América – sólidos redutos de apoio ao lavajatismo.

A operação Lava Jato, que foi uma espécie de “cavalo de troia” do golpismo, espargiu de seu ventre a crítica feroz e sistemática ao modelo político-partidário oriundo da redemocratização de 1988, responsabilizado por todas as mazelas do país, o que favoreceu a expansão de uma vasta corrente política de direita, neoliberal e, visceralmente, antipetista – e contra as teses de esquerda em geral – espalhada em diversas camadas da população, mais consolidada nas classes médias urbanas e rurais. Bolsonaro soube capitalizar essa onda política conservadora, engolindo a velha direita e derrotando nas urnas o petismo -, com Lula aprisionado e proscrito politicamente.

No momento, Moro enfrenta uma luta feroz contra o chamado “bolsonarismo raiz” e lança sinais em direção ao bloco político que reúne a direita tradicional, que ainda se encontra dividida quanto ao que fazer com Bolsonaro, hesitando em assumir os mecanismos legais e constitucionais para abreviar a existência nefasta do governo da extrema-direita.

A conjuntura, marcada pela polarização política e atravessada por uma crise econômica e sanitária sem precedentes, agravada mais ainda pela pandemia do coronavírus, abriu um novo período de forte turbulência e de extrema volatilidade, provocando um processo de decantação na extrema-direita e com impactos na velha direita. O rompimento de Moro é parte integrante desse processo em curso.

É necessário levar em conta o fator Moro. Subestimá-lo será repetir o erro grave que a direita tradicional e a esquerda cometeram quando defendiam a tese de que Bolsonaro seria derrotado por qualquer candidato em um eventual segundo turno nas eleições presidenciais de 2018.

*Milton Alves é ativista político e social. Autor do livro ‘A Política Além da Notícia e a Guerra Declarada Contra Lula e o PT’.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro diz que não viu agressão a jornalistas durante ato contra Congresso e STF

Ato golpista de Bolsonaro foi um fiasco; assista ao vídeo

Após ser adquirido, Centrão nem aí com participação de Bolsonaro em ato antidemocrático

Bolsonaro a Rede Globo em nota oficial; confira a íntegra

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) divulgou uma nota oficial nesta segunda-feira (4), no Twitter, na qual ataca a Rede Globo pela cobertura do programa Fantástico à participação dele no ato antidemocrática de ontem (3).

O presidente repetiu que se tratou de uma manifestação “espontânea” e cobrou da emissora que dê destaque às prisões de pessoas que furaram a quarentena, a exemplo de uma mulher algemada numa praça de Araraquara (SP).

Leia a íntegra da nota oficial de Bolsonaro:

A TV Globo no Fantástico de ontem se dedicou a ataques ao Presidente Jair Bolsonaro, pelo fato de um fotógrafo do jornal O Estado de SP ter sido agredido por alguns possíveis infiltrados na pacífica manifestação.

Também condenamos a violência. Contudo, não vi tal ato, pois estava nos limites do Palácio do Planalto e apenas assisti a alegria de um povo que, espontaneamente, defendia um Governo eleito, a democracia e a liberdade.

Agora não vi, em dias anteriores a TV Globo sair em defesa de uma senhora e filha que foram colocadas a força dentro de um camburão por estarem nadando em Copacabana, outra ser algemada por estar numa praça em Araraquara/SP ou um trabalhador também ser algemado e conduzido brutalmente para uma DP no Piauí.

A maior violência que o povo sofre no Brasil e aquela contra seus direitos fundamentais, com o apoio ou omissão da Rede Globo.

Eduardo Bolsonaro comete crime de homofobia para defender manifestação antidemocrática do pai

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o Zero Três, abriu fogo contra os LGTBs para justificar a manifestação antidemocrática liderada por seu pai, Jair Bolsonaro, presidente da República.

Bolsonaro pai comandou neste domingo (3), em Brasília, protesto contra o Congresso, STF e a imprensa. Vários repórteres que cobriam o evento sofreram agressões de seus seguidores.

“Protestos democráticos são esses aí das imagens, talkei?”, postou no Twitter Eduardo Bolsonaro, o “Dudu Bananinha“, anexando fotos de performances gays em manifestações LGTBs.

O presidente e seus filhos são recorrentes à temática gay e eles se comportam de maneira homofóbica, o que pode ser configurada em crime. Desde junho de 2019, atos de homofobia e de transfobia são criminalizados no País.

Pelo entendimento do STF, a Lei do Racismo também pode alcançar os integrantes da comunidade LGBT e é compatível com a Constituição Federal.

Gays, lésbicas e afins nada tiveram com os protestos de hoje no DF, mas, mesmo assim, são usados pela família Bolsonaro como bodes expiatórios de suas frustrações sexuais, intelectuais e políticas.