Atuação de Bolsonaro frente ao Coronavírus tem só 27% de aprovação

Pesquisa do Instituto Datafolha aponta que vem crescendo a reprovação dos brasileiros em relação à atuação do presidente Bolsonaro no combate ao Coronavírus.

A pesquisa foi divulgada na noite desta quinta-feira pelo jornal Folha de São Paulo e mostra que somente 27% dos entrevistados aprova as ações de Bolsonaro na pandemia. Outros 22% consideram sua atuação regular.

Confira neste gráfico a evolução da avaliação de Bolsonaro em relação ao Coronavírus:

A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos. O levantamento foi feito na segunda (25) e na terça (26), com 2.069 entrevistados.

Sobre a responsabilidade de Bolsonaro pelo avanço da pandemia:

  • 33% consideram o presidente muito responsável;
  • 20% consideram um pouco responsável;
  • 45% dizem que ele não é responsável;
  • 3% não sabem.

E sobre a média da responsabilidade dos governadores dos estados pelo avanço da pandemia:

  • 19% consideram o(a) governador(a) de seu estado muito responsável;
  • 20% consideram um pouco responsável;
  • 58% dizem que ele não é responsável;
  • 3% não sabem.

Esse comparativo mostra um desempenho médio dos governadores bem superior ao do presidente.

As informações são da Folha de São Paulo

Brasil registra 438 mil casos e 26.754 mortes por coronavírus nesta quinta

O Ministério da Saúde registra no boletim desta quinta-feira (28) que o Brasil soma 26.754 mortes pelo novo coronavírus. O número era de 25.598 na quarta-feira (27), o que mostra a inclusão de 1.156 registros de morte nas últimas 24 horas.

O número de casos confirmados da Covid-19 no país é de 438.238 de acordo com o boletim. Eram 411.821 na quarta. Houve um acréscimo de 26.417 casos desde quarta-feira (27).

A pasta destaca que 233.880 pacientes estão em acompanhamento (53,4% do total).

LEIA TAMBÉM
Lobão “Vida Louca Vida” no Roda Viva

Datena ‘comunista’ explode nas redes sociais com “Moscou Urgente”; assista

ABI pede união de Partidos pelo impeachment de Bolsonaro

O coronavírus avança no país e os governos estaduais e federal aplicam medidas de relaxamento da quarentena, como em São Paulo, epicentro da pandemia no país.