Abraham Weintraub ficou calado em depoimento à Polícia Federal

O ministro da falta de Educação Abraham Weintraub ficou calado no seu “depoimento” na manhã desta sexta-feira à Polícia Federal. Os agentes foram ao Ministério da Educação para ouvir o ministro na investigação do chamado “inquérito das fake news”, do Supremo Tribunal Federal.

Weintraub deveria explicar o fato de ter chamado os ministros do Supremo de “vagabundos” e de ter dito que por ele “colocava todos na cadeia”.

As falas foram proferidas durante a reunião ministerial de 22 de abril. Aquela que o ex-juiz Sérgio Moro alega ser prova contra o presidente Bolsonaro de interferir politicamente na Polícia Federal.

Explica aí, Weintraub!

Após ataque ao STF, Weintraub é convocado para prestar explicações ao Senado

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, terá que prestar explicações ao Senado Federal que aprovou, nesta segunda-feira (25), a sua convocação após os ataques aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) na reunião ministerial de 22 de abril.

Weintraub chamou os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de “vagabundos”, afirmando que queria prendê-los. O ministro declarou ainda que odeia os termos “povos indígenas” e “povo cigano” e classificou Brasília como “uma porcaria”, “um cancro de corrupção, de privilégio”.

Os senadores aprovaram a convocação com base nestas três afirmações. O comparecimento do ministro da Educação é obrigatório, com base na Constituição Federal. Se não comparecer, Weintraub pode responder por crime de responsabilidade.

LEIA TAMBÉM
Witzel acusa Bolsonaro

Weintraub é lançado para a prefeitura de São Paulo

Jornalistas denunciam violência de bolsonaristas no Palácio da Alvorada

Segundo o requerimento da convocação, de autoria da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), Weintraub “atentou contra a dignidade dos integrantes da mais alta Corte do Judiciário brasileiro, agrediu a Capital da República e desprezou os povos indígenas, cuja integridade e cultura devem ser preservadas por preceito constitucional”.

A data do depoimento ainda será definida entre o Senado e o Ministério da Educação.

Weintraub também é alvo de requerimento de convocação na Câmara dos Deputados.