Vídeo de Gilmar Mendes, do STF, sobre COVID-19, dá ‘dor de barriga’ nos bolsominions; assista

“A letalidade da COVID-19 custou a vida de milhares pessoas no mundo todo e também no Brasil”, alerta o ministro do STF Gilmar Mendes.

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, uma das vozes lúcidas da corte, publicou um vídeo no domingo (12) que ainda vem causando ‘dor de barriga’ na militância bolsonarista.

“A letalidade da COVID-19 custou a vida de milhares pessoas no mundo todo e também no Brasil”, alerta o magistrado do STF.

Sem citar o nome do presidente Jair Bolsonaro e o nome do medicamente, no vídeo Gilmar esclarece que não cloroquina que resolva o coronavírus.

“Não há remédio efetivo, senão o isolamento social”, disse.

A recomendação para que todos fiquem em casa também causou a fúria dos bolsonaristas.

“Procuremos ficar em casa. Sigamos as orientações do OMS e do Ministério da Saúde”, exortou o ministro do Supremo.

Por fim, Gilmar Mendes reforça: “Fique em casa você também.”

Assista ao vídeo:

LEIA TAMBÉM
Em Rondônia, pessoas são diagnosticadas com Covid-19 após irem à ‘Coronafest’

Mandetta x Bolsonaro: quem piscar primeiro perde o embate da Covid-19

Índia estende medidas de isolamento até 3 de maio

‘Coronavírus é dez vezes mais letal que H1N1’, diz OMS
O novo coronavírus é dez vezes mais letal do que o vírus responsável pela gripe A (H1N1), que surgiu no final de março de 2009 no México. A afirmação é da Organização Mundial da Saúde (OMS). A organização ainda recomendou uma suspensão “lenta” do confinamento da população.

Em entrevista coletiva virtual concedida em Genebra, na Suíça, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que “os dados coletados em vários países nos dão uma imagem mais clara desse vírus, de seu comportamento, da maneira de contê-lo. Sabemos que o Covid-19 se espalha rapidamente e sabemos que é letal: dez vezes mais do que o vírus responsável pela pandemia de gripe de 2009”.

A pandemia causada pelo vírus A (H1N1) levou a campanhas maciças de vacinação.

Um balanço estabelecido pela agência France-Presse conectou 18.500 óbitos ao vírus da gripe A (H1N1). No entanto, a revista médica Lancet estimou o número de mortes entre 151.700 e 575.400.

A nova pandemia de coronavírus já deixou aproximadamente mais de 120 mil mortes em todo o mundo desde que surgiu na província chinesa de Wuhan em dezembro do ano passado.

Covid-19: mundo beira 2 milhões de casos e passa de 120 mil mortes
O mundo possui exatos 1.939.463 casos confirmados de coronavírus e 120.879 mortes na manhã desta terça-feira, dia 14 de abril. Os dados são estatísticas de 210 países, monitorados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os Estados Unidos são o país mais castigado pela Covid-19. A terra de Tio Sam tem 587.173 casos confirmados e 23.644 mortos, ultrapassando Espanha, Itália, Alemanha e França no número de infectados pelo vírus.

O Brasil contribuiu nesse “latifúndio” com 23.830 casos confirmados de coronavírus e 1.355 mortes, segundo o Ministério da Saúde.

Os surtos em muitos países ainda são considerados longe de seus picos.