STF determina a entrega de 68 respiradores ao estado do Maranhão

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, determinou que uma empresa de Santa Catarina entregue ao Maranhão 68 respiradores no prazo de 48 horas. A informação é da coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo.

A liminar foi dada em uma ação da gestão Flávio Dino (PC do B) contra o governo federal, que tinha bloqueado a transação no mês passado.

LEIA TAMBÉM:
Estudo nos EUA sugere ineficácia da hidroxicloroquina, medicamento defendido por Trump e Bolsonaro para o tratamento da covid-19

Chanceler do Brasil surta e “denuncia” ameaça do “Comunavírus”

Prefeito de Manaus chora ao exigir respeito de Bolsonaro para coveiros

A compra dos equipamentos foi realizada em 19 de março. Cinco dias depois, em 24 de março, o Ministério da Saúde enviou um ofício para a empresa requisitando os respiradores produzidos para poder distribuir segundo seus critérios.

O bloqueio deu origem a operação Etiópia-Maranhão na Receita Federal.

Em postagem feita em suas redes sociais na última segunda-feira (20), Dino afirmou que o “Maranhão não praticou nenhuma ilegalidade na compra de respiradores” e rechaçou as “ameaças” e “perseguições sem sentido”.

“Maranhão não praticou nenhuma ilegalidade na compra de respiradores. Mercadorias são legais, existem, estão salvando vidas. A Receita pode abrir o procedimento que quiser e atenderemos às suas exigências. Só não aceitamos ameaças nem perseguições sem sentido”, escreveu o governador no Twitter.