Requião pede investigação de ‘pixuleco’ exigido por Moro

O ex-senador Roberto Requião (MDB-PR), presidente da Frente Ampla pela Soberania, pelo Twitter, pediu neste sábado (25) que as autoridades judiciárias investiguem o ‘pixuleco’ que o ex-ministro Sérgio Moro exigiu para entrar no governo Jair Bolsonaro (sem partido).

“Moro não pediu demissão, foi banido, escorraçado, defenestrado do governo”, afirmou o emedebista. “Resta saber como recebe a grana, o estipêndio, o seguro de cargo, o pixuleco que exigiu ao entrar”, exigiu Requião.

Em sua coletiva à imprensa, na manhã de ontem (24), o ainda ministro da Justiça confessou ao Brasil:

“Tem uma única condição que eu coloquei – não ia revelar mas agora acho que não faz mais sentido manter segredo. Isso pode ser confirmado tanto pelo presidente como pelo general Heleno. Eu disse que, como estava abandonando 22 dois anos da magistratura – contribui 22 anos para a Previdência e perdia, saindo da magistratura, essa Previdência -, pedi, já que nós íamos ser firmes contra a criminalidade, especialmente a criminalidade organizada, que é muito poderosa, pedi que se algo me acontecesse, que minha família não ficasse desamparada, sem uma pensão. Foi a única condição que eu coloquei para assumir essa posição específica no MJ.”

“Fui deputado estadual pelo Paraná, prefeito de Curitiba, três vezes governador do estado e duas vezes senador. Hoje conto com uma aposentadoria pelo INSS de R$2.700 ao mês. Bom mesmo, depois de todo esse trabalho, seria uma aposentadoria igual a que Bolsonaro e Heleno garantiram a Moro”, afirmou.

O ex-senador analisou que as provas de Moro são suficientes para desencadear o impeachment de Bolsonaro e, em efeito bumerangue, de colocar o ex-juiz da Lava Jato na cadeia.

Moro acusou o presidente Bolsonaro de interferir nas investigações da Polícia Federal e de tentar influenciar em inquéritos no STF com o intuito de blindar seus filhos e interesses particulares, alheios aos interesses da República. Em resposta, Bolsonaro denunciou seu ex-ministro da Justiça de chantageá-lo por uma vaga no Supremo Tribunal Federal.

“Quem participa do governo Bolsonaro não se diferencia dele em nada, quer seja militar, quer seja civil. Moro é Bolsonaro, e Bolsonaro é Moro. É triste, mas é assim”, observou Requião.

“Sérgio moro aprendeu que não vale a pena apoiar o fascismo. Isso só é interessante quando se é o fascista-mor, se não, rua”, interpretou o presidente da Frente Ampla.

Para Requião, Bolsonaro e Moro é cara de um e focinho do outro: ‘assim como Moro interferia na Polícia Federal, evitando a soltura de Lula, o mesmo iria fazer Bolsonaro [interferir nas investigações na PF e no STF]’.

“Moro durante este ano e meio foi parceiro inarredável de Bolsonaro e de todos absurdos cometidos pelo desgoverno”, disse Requião. “Não passou de tutor dos filhos malucos e mandalete do chefe”, completou.

LEIA TAMBÉM
Globo x CNN duelam por Moro x Bolsonaro

Bolsonaro avalia quatro nomes para substituir Moro no Ministério da Justiça

Demissão de Moro será negativa para o governo Bolsonaro, diz XP Investimentos

Lula: “Bolsonaro já cometeu muitos crimes de responsabilidade”

Globo x CNN duelam por Moro x Bolsonaro

A Rede Globo e a CNN Brasil tomaram as dores de seus protegidos na novela Bolsonaro x Moro, iniciada ontem (24) pela manhã. Cada qual, de acordo com o interesse do freguês, apresenta uma versão dos fatos.

A CNN, que é da TV Record, por óbvio, assumiu a assessoria de imprensa do presidente Jair Bolsonaro; a Globo também saiu em defesa de seu protegido, Sérgio Moro, que vaza informações à emissora desde o início da Lava Jato em 2014.

Se o Jornal Nacional apresentou na noite de ontem mensagens da deputada Carla Zambelli (PSC-SP), vazadas pelo padrinho Moro, a CNN não ficou atrás e mostrou novas mensagens da afilhada traída.

Apesar de a CNN afirmar numa manchete que “novas mensagens” da deputada Carla Zambelli provariam que “Moro queria ser indicado ao STF”, pouca novidade acrescentou à baixaria protagonizada nas últimas horas entre Bolsonaro e Moro.

“A gente vê aqui que eu estou desprovida de má intenção e eu gostaria muito de saber se ele já estava fazendo prints [da tela] porque essa frase é muito calculada e parece que foi friamente colocada ali”, disse a parlamentar sobre a resposta do ministro: “Prezada, não estou a venda”.

“Não é isso que se responde quando uma pessoa diz que te ajuda a ir ao STF, quando diz ‘nós queremos o senhor no STF’”, continuou. “A resposta dele não combina com nada do que a gente está conversando. Parece que foi tudo muito mal intencionado da parte dele, querendo achar algo para provar depois.”

Zambelli disse também não ser novidade a vontade do ex-ministro de ser indicado para o Supremo. “Tanto é que a imprensa já falou sobre isso, no Twitter já teve Trending Topic falando ‘Moro no STF’”, disse a afilhada.

“Ou seja, não é algo que eu trouxe do nada. É uma conversa que se tem em Brasília desde que o ministro entrou [no governo]. Ontem ele deixou claro que o presidente não prometeu essa vaga para ele, mas é claro, todo mundo esperava que o ministro Moro, que foi o juiz da Lava Jato, em algum momento fosse pro Supremo”, completou a deputada.

Sobre outro trecho das mensagens trocadas com o ex-ministro, no qual a deputada sugere uma conversa com o presidente sobre a exoneração de Maurício Valeixo e no qual ele diz que não trataria dessa questão por escrito, ela acusa Moro de agir de forma fria e calculada.

“Aqui eu pergunto para vocês: quando ele fala que não vai tratar essas questões por escrito é porque já tinha tirado print de tudo, tinha a ‘big picture’ na cabeça dele e estava com toda a má intenção?”, afirmou.

Ele agiu friamente e denota que em nenhum momento estava interessado em chegar a uma solução viável, que atendesse à República, atendesse ao Brasil, ao interesse de todos. Ele estava só preocupado em tirar alguma vantagem, em tirar um print para que no dia seguinte [sexta-feira] pudesse tentar desmoralizar ou o presidente ou uma deputada federal.”

Zambelli disse que tentou trabalhar para aproximar Moro e o presidente Bolsonaro para diminuir os desentendimentos entre os dois. Na sua opinião, o fato de o presidente ser muito “aberto e espontâneo” e o ex-ministro ser “reservado e tímido” dificultava a relacionamento profissional deles.

“Quando você trabalha intimamente com alguém, que tem que confiar, tem que ser mútuo. Eu acho eu faltava uma conversa entre os dois, para parar com os problemas como esse que vocês viram ontem”, afirmou, se referindo às trocas de acusações entre os dois feitas na sexta-feira (24).

Ela disse ainda ter se sentido traída quando Moro revelou parte do diálogo dos dois por meio do WhatsApp, já que se considerava um “cão de guarda” na defesa de Moro em ataques sofridos pelo ex-ministro no Congresso.

“Quando a gente fala de uma vazamento desse, do presidente da república envolvendo segurança nacional – e ele [Moro] tem noção disso – e de outro vazamento que pode ser insignificante para ele, mas que mexeu com a vida de uma pessoa que viveu durante seis anos, de 2014 a 2020, para poder defender esse homem”, afirmou à CNN.

Haddad: ‘Nem Bolsonaro nem Moro são dignos dos cargos que ocupam’

O ex-presidenciável Fernando Haddad, do PT, em artigo, escreve neste sábado (25) que o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o [ainda] presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fizeram acusações mútuas gravíssimas nas últimas horas.

“Moro acusou o chefe de querer interferir politicamente nas investigações da PF. Bolsonaro acusou seu ministro de concordar com a troca do diretor-geral apenas depois de ele, Moro, ser indicado para uma vaga no STF”, inicia o petista.

Haddad afirma que nem Bolsonaro nem Moro são dignos dos cargos que ocupam. Por isso, o dirigente do PT laconicamente propõe: “Fora.”

Leia a íntegra do artigo de Fernando Haddad:

Fora

Nem Bolsonaro nem Moro são dignos dos cargos que ocupam

Fernando Haddad*

As acusações mútuas que se fizeram Moro e Bolsonaro são gravíssimas. Moro acusou o chefe de querer interferir politicamente nas investigações da PF. Bolsonaro acusou seu ministro de concordar com a troca do diretor-geral apenas depois de ele, Moro, ser indicado para uma vaga no STF. Como se vê, tudo muito “republicano”.

Chama a atenção, entretanto, aquilo que eles admitiram de si mesmos. Moro negociou sua ida para o ministério em troca de uma pensão para a família caso viesse a faltar. O homem que ganhou salário de juiz por mais de vinte anos, não raro acima do teto constitucional, negociou uma pensão não prevista em lei. Quem pagaria? Como foi acertado esse arranjo? E os demais brasileiros que arriscam a vida diariamente?

Bolsonaro, por sua vez, disse que, de fato, queria nomear um diretor-geral com quem ele pudesse interagir diretamente. Assumiu também que determinou a substituição do superintendente da PF no Rio de Janeiro, cidade em que atos suspeitos de seus filhos estão sendo investigados.

Em 2007, a PF deflagrou uma operação que tinha como alvo o irmão do presidente Lula, conhecido por Vavá. Tarso Genro, então ministro da Justiça, informou o presidente 11 horas antes da operação. Segundo relato do ministro, Lula teria dito que, se a operação respeitasse as formalidades legais, nada teria a dizer.

A operação ocorreu com estardalhaço, sem que o irmão tivesse conhecimento. Mais tarde, Vavá teria perguntado a Lula se ele tinha sido informado previamente da operação, ao que ele respondeu: “Quem foi informado foi o presidente da República, não seu irmão”. Vavá faleceu sem que nada se provasse contra ele. Lula foi impedido de ir ao seu enterro.

Bolsonaro jamais entenderá a autonomia da PF, reclamada por Moro. Mas o próprio Moro, bem entendido, tampouco se preocupa em preservá-la. A troca de favores que teria sugerido ao presidente lembra mais uma disputa por poder do que uma visão de Estado. Uma vez no STF, a autonomia da PF não seria mais da sua conta.

Novamente, Moro deixou a admiração aos governos do PT nessa seara. Já na absurda sentença condenatória que tirou Lula da disputa presidencial que liderava, pavimentando a vitória daquele a quem serviria, ele declara que Lula foi o presidente que, como poucos, fortaleceu as instituições de combate à corrupção. Ontem, repetiu-se: os governos do PT garantiram a autonomia da PF, sem o que a Lava Jato não se realizaria.

O que Moro demora a conceder é que quem deu autonomia à PF o fez porque nada temia, e nem imaginava que instituições da República se deixassem instrumentalizar contra quem as fortaleceu.

Nem Bolsonaro nem Moro são dignos dos cargos que ocupam. Fora.

Compartilhe agora