Ministro Gilmar Mendes suspende cobrança por cheque especial não utilizado

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta terça-feira (14) a tarifa de 0,25% cobrada sobre o cheque especial não utilizado. A regra estava em vigor desde janeiro deste ano.

A decisão de Gilmar Mendes é liminar (provisória) e atendeu a um pedido do partido Podemos, que questionou a constitucionalidade da cobrança.

“Não considero adequada, necessária e proporcional, em sentido estrito, a instituição de juros ou taxa, travestida de ‘tarifa’, sobre a simples manutenção mensal de limite de cheque especial”, afirmou o ministro na decisão.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro anuncia rede social “Mano” para concorrer com Facebook, Twitter, YouTube e WhatsApp; assista

PGR acata ação do PSOL e pede que STF abra inquérito contra Weintraub por declarações racistas

Secretário diz que ‘a gestão de Mandetta acabou’

As novas regras para o cheque especial foram estabelecidas em resolução do Banco Central e tinham começado a valer em 6 de janeiro.

Pelas normas, quem tivesse mais de R$ 500 de limite no cheque especial teria de pagar até 0,25% sobre o valor excedente. A tarifa poderia ser cobrada até mesmo se o cliente não utilizar o limite do cheque especial.

A suspensão deve durar até o julgamento da ação pelo plenário do STF. Ainda não há data marcada.

Com informações do G1.