Militares se recusam a apertar mão de Bolsonaro, que esconde resultado do exame para Covid-19

Os militares que não são bobos, nada, se recusaram nesta quinta-feira (30) apertar a mão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Bolsonaro visitou hoje Porto Alegre, capital do Rio Grande de Sul, onde se reuniu com a caserna –inclusive com o vice-presidente general Hamilton Mourão (PRTB).

Assim como os demais militares, Mourão ofereceu o cotovelo para Bolsonaro.

As cenas constrangedores bombaram hoje nas redes sociais porque há fortes suspeitas de que o presidente tenha contraído a Covid-19.

A despeito de uma decisão da Justiça Federal de São Paulo, Bolsonaro se recusou a apresentar o laudo do exame que teria dado “negativo” para o coronavírus.

O pedido para que Jair Bolsonaro mostrasse o exame foi feito pelo Estadão.

O presidente da República esteve nesta manhã no Centro de Operação de Combate à Covid-19 da capital gaúcha.

Assista ao vídeo:

Brasil tem a maior taxa de contágio da Covid-19 no mundo, diz estudo

Vox Populi: 60% dizem que Bolsonaro pensa mais nos empresários que no povo

Coronavírus: Brasil tem 5.901 mortes e 85.380 casos confirmados

Bolsonaro descumpre ordem judicial e não apresenta resultado de exame para Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não cumpriu a ordem judicial de apresentar o resultado do exame para Covid-19, nesta quinta (30), o que aumentou nas redes sociais os rumores de que ele testou positivo para a doença.

Na segunda-feira (27), o Estadão garantiu o direito de obter os testes de covid-19 feitos pelo presidente Jair Bolsonaro. Por decisão da juíza Ana Lúcia Petri Betto, a União teve um prazo de 48 horas para fornecer “os laudos de todos os exames” feitos pelo presidente da República.

“Repise-se que ‘todo poder emana do povo'(art. 1º, parágrafo único, da CF/88), de modo que os mandantes do poder têm o direito de serem informados quanto ao real estado de saúde do representante eleito”, decidiu a magistrada.

Porém, na manhã desta quinta, em frente ao Palácio do Alvorada, Bolsonaro afirmou que iria recorrer da decisão porque estava se sentindo violentado pela invasão de privacidade.

“A AGU (Advocacia-Geral da União) deve ter recorrido. E, se nós perdermos o recurso, daí vai ser apresentado. E vou me sentir violentado. A lei vale para o presidente e mais humilde cidadão brasileiro”, disse.

A falta de transparência de Bolsonaro fez surgir nesta tarde a hashtag #QueroVerOsExames no Twitter.

“Bolsonaro admitiu que usou nome codificado pra fazer o teste de Coronavírus. O único teste feito na data, e com nome codificado é de Brilhante Ustra, que por sinal, é ídolo do energumeno, e deu positivo. Se confirmar, a casa cai…”, diz um perfil na rede social.

Por outro lado, o Estadão informou que pediu hoje à Justiça Federal de São Paulo uma apuração de descumprimento de ordem judicial, após a Advocacia-Geral da União (AGU) não encaminhar os “laudos de todos os exames” do novo coronavírus feitos pelo presidente Jair Bolsonaro.

Compartilhe agora