Líder da oposição diz que Câmara precisa analisar os pedidos de impeachment de Bolsonaro

O líder da oposição na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), afirmou nesta sexta-feira (24) que, diante das graves denúncias reveladas pelo ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, durante o anuncio de sua demissão do governo Jair Bolsonaro, o Congresso Nacional precisa avaliar os pedidos de impedimento do presidente da República que foram encaminhados à Câmara dos Deputados. O parlamentar defende também a instalação imediata de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar o caso.

“Nós temos duas alternativas que estamos avaliando. Uma delas é reforçar o pedido de impeachment que está posto por conta do crime de responsabilidade. Aliado a isso, nós pedimos a instalação imediata de uma CPMI para investigar todas as denúncias vindas a público pelo ex-ministro Moro”.

LEIA TAMBÉM:
Ao vivo: Pronunciamento oficial do presidente Jair Bolsonaro

Após pronunciamento de Moro, PSOL pressiona PGR por investigação urgente de interferências de Bolsonaro na PF

FHC pede que Bolsonaro renuncie “antes de ser renunciado”

Na opinião de Guimarães, os fatos denunciados pelo ex-ministro Sérgio Moro agravam ainda mais a crise institucional que o Brasil está passando. Para o líder da Minoria, o ex-juiz Sérgio Moro deixou claro que durante sua permanência no governo, ele conviveu com vários crimes protagonizados por Bolsonaro.

“Fica claro que houve um processo de cumplicidade entre ambos, durante todo o processo de investigação que se aproximavam do Palácio do Planalto. Desde o caso do Queiroz, aos filhos de Bolsonaro. Em todos esses momentos, Moro silenciou e, agora, vêm à tona essas denuncias gravíssimas de que o presidente da República cometeu crime de prevaricação, falsidade ideológica crime de responsabilidade”, apontou Guimarães.

O argumento do parlamentar petista se sustenta nas declarações de Moro para a sua saída do governo Bolsonaro. Durante o anúncio, o ex-juiz da Lava Jato reclamou que Bolsonaro insistia na troca do comando da PF para ter acesso a relatórios de inteligência. Nesse caso, existem várias investigações que envolvem os filhos do presidente, entre eles o Caso Queiroz – do ex-assessor de Flávio Bolsonaro – e o da morte da vereadora Marielle Franco.

Para Guimarães, outro fato grave foi a declaração de Moro de que não assinou o decreto de exoneração do diretor-geral da PF, Mauricio Valeixo, conforme consta no Diário Oficial da União. Isso é muito grave e se caracteriza como crime.

“A situação do Brasil é grave. Em plena pandemia estamos vendo um governo atolado em denuncias e crimes que comprometem a vida de milhões de brasileiro. A democracia brasileira precisa reagir, tem que pedir o fim desse governo, o fora Bolsonaro”, defendeu Guimarães.

As informações são da Liderança do PT na Câmara.