José Guimarães propõe análise de PEC que prevê eleições em casos de vacância da Presidência

O líder da Minoria na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), apresentou requerimento para abertura de Comissão Especial com o objetivo de apreciar a PEC 227/2016. A proposta prevê eleições diretas no caso de vacância da Presidência da República, exceto nos seis últimos meses do mandato.

Caso aprovada, a proposta vai alterar o artigo 81 da Constituição Federal para determinar que as eleições indiretas, pelo Congresso Nacional, tomarão forma apenas no caso de vacância dos cargos de presidente e vice-presidente nos últimos seis meses do período presidencial, e não nos últimos dois anos, como atualmente.

LEIA TAMBÉM:
Eduardo Bolsonaro teme um processo de impeachment contra o pai

Bolsonaristas acusam Joice Hasselmann de usar robôs contra robôs

Governadores do Nordeste vão ao STF para pedir suspensão das dívidas com a União

A PEC, de autoria do ex-deputado Miro Teixeira (RJ), já obteve admissibilidade da Comissão de Constituição, de Justiça e de Cidadania (CCJC), mas não caminhou até o fim da última legislatura. Desarquivada em maio de 2019, a PEC está em condições de seguir a tramitação regular.

Segundo Guimarães, a proposta é uma homenagem à soberania popular e ao voto direto, pois garante a manifestação do povo nos casos de dupla vacância do executivo federal. “A eleição indireta para presidente e vice-presidente é que deve permanecer sendo exceção, cabendo apenas para as situações em que não existe possibilidade de realização do pleito”, analisa.

Outras ações
José Guimarães também é autor de requerimentos que pedem a instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e de Comissão Geral com o objetivo de ouvir o ex-ministro Sérgio Moro sobre as denúncias feitas na última sexta-feira (24).

Ao anunciar a saída do governo federal, o ex-juiz relatou tentativas de interferência do presidente Jair Bolsonaro no comando da Polícia Federal a fim de acessar relatórios de inteligência. Moro também sinalizou que o chefe do Executivo preocupava-se com o andamento de inquéritos no Superior Tribunal Federal (STF).

As informações são do PT na Câmara.