Governo britânico prorroga a quarentena por mais três semanas


O governo britânico estendeu a quarentena pelo menos por mais três semanas, anunciou o ministro de Relações Exteriores, Dominic Raab, que atua como premiê interino, determinando que a população fique em casa para impedir a propagação do coronavírus, que já matou mais de 138 mil pessoas no mundo.

“Chegamos longe demais, perdemos muitos entes queridos, já sacrificamos demais para aliviar agora, especialmente quando começamos a ver as evidências de que nossos esforços estão começando a dar frutos”, disse Raab à imprensa nesta quinta-feira (16).

Raab está substituindo o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que se recupera das complicações do covid-19 que quase lhe custaram a vida.

O Reino Unido tem o quinto maior número oficial de mortes por covid-19 no mundo, depois dos Estados Unidos, da tália, Espanha e França, embora os números britânicos cubram apenas as mortes em hospitais e o número real seja provavelmente muito maior.

O anúncio, que era amplamente esperado, significa que os britânicos devem ficar em casa, a menos que estejam comprando itens básicos ou por necessidades médicas. Os cidadãos podem se exercitar em público uma vez por dia e podem se deslocar para o trabalho se não puderem trabalhar em casa.

LEIA TAMBÉM:

STF dispensa consulta aos sindicatos em acordos de redução salarial e de jornada

Requião fuzila prefeito de Curitiba por causa do coronavírus: “não suporta pobre”

#ForaMaia com 1,36 milhão de tweets: ‘Tem robô aí’, diz Merval Pereira

As medidas foram anunciadas no dia 23 de março por um período inicial de três semanas.

Uma pesquisa do YouGov, realizada antes do anúncio dessa quinta-feira, mostrou que 91% dos britânicos apoiam a extensão da quarentena por mais três semanas.

O número de mortes no Reino Unido pela covid-19 em hospitais aumentou de 861 para 13.729 em 15 de abril. Estatísticas mais amplas, que incluem mortes em casas de repouso, entre outras, sugerem que o total de mortes é muito maior.