Frota entra com pedido de afastamento contra Bolsonaro no STF

O deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) entrou com um pedido de afastamento contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Supremo Tribunal Federal (STF) com base nas acusações do ex-ministro Sergio Moro, informa o jornal Valor Econômico.

Um dos pontos levantados é que Bolsonaro teria fraudado o Diário Oficial da União (DOU) ao publicar a assinatura de Moro no ato de exoneração do delegado Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro ‘cava’ o próprio impeachment, diz Financial Times

Lula foi o melhor presidente da história do Brasil, diz nova pesquisa

Bolsonaro vai escolher o relator de inquérito contra Moro no STF, diz Gilmar Mendes

Segundo o ex-ministro, ele não assinou o documento e só soube da demissão de madrugada. Após as declarações, o governo fez uma edição extra do DOU, sem o nome de Moro.

Para o deputado, a decisão de Bolsonaro de trocar o comando da PF teve como objetivo “interferir nas investigações realizadas” pela corporação.

“Outros presidentes já tentaram manobras semelhantes com o intuito de interferir em investigações do mesmo órgão, mas nunca, nenhum deles, chegou a força a demissão de qualquer diretor”, afirmou.
Ele também cita a proximidade do novo diretor-geral da PF, Alexandre Ramagem, com o filho 02 do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos).

Além disso, Frota afirma que o presidente pratica crimes contra a saúde pública por pregar o fim do isolamento social em meio à pandemia do novo coronavírus.

No mandado de segurança, o parlamentar diz ainda que já foram apresentados no Congresso mais de 20 pedidos de impeachment contra Bolsonaro.

Segundo ele, os pedidos alegam que o presidente usa as redes sociais para convocar manifestações antidemocráticas e tenta impedir a liberdade de imprensa.