#ForaMaia com 1,36 milhão de tweets: ‘Tem robô aí’, diz Merval Pereira

Robôs bolsonaristas do “Gabinete do Ódio” dispararam nesta sexta-feira 1,36 milhão de tweets com a hashtag #ForaMaia, em alusão ao presidente da Câmara Rodrigo Maia.

Após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) dizer que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), conspira ao lado do Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubá-lo, os robôs bolsonaristas do “Gabinete do Ódio” dispararam nesta sexta-feira 1,36 milhão de tweets com a hashtag #ForaMaia.

‘Tem robô aí’, analisou o jornalista Merval Pereira, da Globo e Rádio CBN.

O vereador do Rio, Carlos Bolsonaro (PRB), o Carluxo, tido como gerente do Gabinete do Ódio, deu a senha do ataque ao chamar de “frouxo” o presidente da Câmara.

Chamando Maia pelo apelido adquirido nas investigações da Lava Jato, o filho do presidente da República disse que “‘Botafogo’ ataca DIARIAMENTE o Presidente nas entrelinhas como um belo frouxo e quando recebe uma resposta aberta incorpora a Madre Tereza!”

“Quanto tempo até vir com papinho de que está sendo atacado por robôs do gabinete do ódio como se a humanidade morresse de amores por ele?”, disse Carluxo.

LEIA TAMBÉM
Tarso Genro diz que novo ministro da Saúde “não é ‘técnico’ e não conhece o SUS”

Abrir ou não abrir o comércio, eis o dilema de Bolsonaro, governadores e prefeitos

Bolsonaro não tem equilíbrio psicológico para governar um país, diz Lula; assista

Mourão garante que está tudo sob controle, só não sabe de quem; assista

Bolsonaro acusa Maia de conspiração e abre guerra com DEM

Em entrevista à CNN Brasil na noite desta quinta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro acusou Maia de conspirar para tirá-lo do Palácio do Planalto e qualificou como péssima a atuação do deputado. “Parece que a intenção é me tirar do governo. Quero crer que esteja equivocado”, disse Bolsonaro ao comentar a aprovação pela Câmara de um projeto de socorro aos estados.

A proposta determina que a União irá transferir R$ 80 bilhões, segundo cálculos de líderes partidários, por seis meses, como forma de compensação pelas perdas de ICMS (imposto estadual) e ISS (municipal) diante da crise econômica, segundo a Folha de São Paulo.

“Isso não se faz com o Brasil. Eu lamento. Isso é falta de patriotismo, de coração verde e amarelo, de humanismo. Isso é quase que conspirar contra o governo federal. Eu lamento, mas esta não é a forma de se fazer política no Brasil”, afirmou Bolsonaro.

Bolsonaro disse lamentar muito a posição do presidente da Câmara que segundo ele, “resolveu assumir o papel do Executivo”. “Ele tem que me respeitar como chefe do Executivo”, acrescetou.

“Qual o objetivo do senhor Rodrigo Maia? Resolver o problema ou atacar o presidente da República? O sentimento que eu tenho é que ele não quer amenizar os problemas. Ele quer atacar o governo federal, enfiar a faca”, disse Bolsonaro.

Bolsonaro ainda insinuou que há outros interesses da parte de Maia, mas não detalhou. “A gente sabe seu tipo de diálogo. Este diálogo não vai ter comigo.”

A queda de Mandetta e os ataques ao presidente da Câmara tensionaram as relações de Bolsonaro com o Democratas, partido que tem apoiado as pautas econômicas do ministro da Economia Paulo Guedes.