Dilma: ‘PT não vai sucumbir a tentativa de calar sua voz’

Publicado em 6 abril, 2020

Em nota divulgada neste domingo (5), a ex-presidente Dilma Rousseff afirma que o vice-procurador-geral eleitoral Renato Brill de Goés “mostra um perigoso jogo antidemocrático ao buscar calar a voz dos adversários políticos do governo Bolsonaro”. Para ela, a tentativa de cassação do registro do PT evoca tempos sombrios que não podem voltar.

LEIA TAMBÉM:
Petistas reagem nas redes sociais contra ameaça de extinção do partido

Gleisi Hoffmann: ‘extinção do PT seria para calar a voz da oposição a Bolsonaro’

Requião: “A canalha quer acabar com o PT”

O vice-procurador-geral eleitoral pediu a extinção do PT baseado em um suposto recebimento pela sigla de recursos oriundos de empresas estrangeiras.

“O PT não vai sucumbir a essa tentativa canhestra de calar sua voz, que nesses 40 anos de existência sempre falou alto e forte em defesa do povo brasileiro, de seus direitos, na luta por um Brasil e um mundo mais justo e menos desigual”, diz trecho da nota.

Leia a íntegra da nota:

“NOTA À IMPRENSA
O pedido do vice-procurador-geral eleitoral mostra um perigoso jogo anti-democrático ao buscar calar a voz dos adversários políticos do governo Bolsonaro.

Curioso que parta de um membro do MPE o pedido, atendendo a denúncia fantasiosa de um deputado do PSL do Ceará.

É grave e sintomático dos tempos de Estado de Exceção que o Brasil vive. E, mais uma vez, ocorre baseado em convicções e nunca em fatos ou provas.

A medida traz lembranças amargas de uma época em que as vozes adversárias na política eram caladas com violência, quando não silenciadas para sempre.

Esses tempos não podem voltar.

O PT não vai sucumbir a essa tentativa canhestra de calar sua voz, que nesses 40 anos de existência sempre falou alto e forte em defesa do povo brasileiro, de seus direitos, na luta por um Brasil e um mundo mais justo e menos desigual.

Dilma Rousseff”