Covid-19: Blog do Esmael faz balanço em 14 de abril

O mundo tem 1.995.947 casos de coronavírus confirmados e 126.537 mortes em 210 países, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Os Estados Unidos lideram essa triste estatística com 612,320 casos confirmados e 25.989 mortes.

O Brasil tem 25.262 casos confirmados e 1.532 mortes nesta terça-feira, 14 de abril.

Governadores do Pará e do Rio testam positivo para coronavírus; assista
Os governadores Helder Barbalho (MDB), do Pará, e Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro, divulgaram nesta terça-feira (14) que testaram positivo para o novo coronavírus.

Helder disse quer fez um teste no sábado e hoje refez o exame. “Mantendo a transparência com vocês, venho informar que meu exame deu positivo para covid-19”, informou.

O governador paraense fez um apelo para que as pessoas fiquem em casa para derrotar o vírus.

LEIA TAMBÉM
TJPR libera praia na pandemia da COVID-19

Brasil mostrou ao mundo durante a pandemia da COVID-19 que não tem governo

Mandetta x Bolsonaro: quem piscar primeiro perde o embate da Covid-19

Moro se recusa a ‘prender o vírus’ da Covid-19
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, virou alvo preferencial das hordas bolsonaristas durante a pandemia de Covid-19.

Para não passar vergonha e manchar ainda mais seu currículo, o ex-juiz da Lava Jato se recusa a reverberar os supostos poderes mágicos da cloroquina no tratamento do coronavírus e finge que não é com ele essa questão do afrouxamento do isolamento social proposto pelo presidente Jair Bolsonaro.

O Palácio do Planalto, o Carluxo, filho do presidente, e o guru Olavo de Carvalho avaliam que o ministro tem gordura para queimar. Para eles, Moro tem o dever moral de defender as mesmas coisas que Bolsonaro defende.

No entanto, o ministro da Justiça tem preferido a cautela dos estudos científicos que recomendam o isolamento social para conter o avanço do vírus e veem com muita cautela as primeiras análises com o composto da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes do coronavírus.

“É uma crise de saúde, não é uma crise de segurança. Não tem como prender o vírus”, esquivou-se Sérgio Moro, mostrando que já aprendeu bastante em Brasília nesse ano e três meses de governo.