Coronavírus: Ministério da Saúde informa que o país teve 204 mortes nas últimas 24h


O Ministério da Saúde informou na tarde desta terça-feira (14) que o país teve 204 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas.

As principais informações:

  • 1.532 mortes (eram 1.328 na segunda; aumento é de 15%)
  • 25.262 casos confirmados (eram 23.430 na segunda; aumento de 8%)

A taxa de letalidade, que compara os casos já confirmados no Brasil com a incidência de mortes, é de 6,1%.

LEIA TAMBÉM:

Wilson Witzel diz que está infectado com coronavírus; assista

Vídeo de Gilmar Mendes, do STF, sobre COVID-19, dá ‘dor de barriga’ nos bolsominions; assista

‘Coronavírus é dez vezes mais letal que H1N1’, diz OMS

Brasil mostrou ao mundo durante a pandemia da COVID-19 que não tem governo
O Brasil sob Jair Bolsonaro fez vergonha mundial na campanha contra a letalidade do coronavírus. O País ainda age como barata tonta na luta contra esse inimigo invisível, pois aos políticos de plantão interessa mais os holofotes e o projeto eleitoral de 2022.

A disputa entre governadores, prefeitos de capitais e o presidente da República deixou claro que a vaidade de cada qual fala mais alto até mesmo nos momentos de pandemia. Vide os entreveros havidos entre Bolsonaro, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).

A corrida pela Cloroquina, a droga que supostamente teria poderes “milagrosos” diante do vírus, é um capítulo à parte porque exige análise acurada das questões econômicas que estão por trás disso, os laboratórios, dentre outras variáveis.

Já a bronca com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, é a face mais pública do desgoverno Bolsonaro.

O demissionário ministro foi no domingo (12) numa emissora de TV, a Globo, reclamar do comportamento do chefe que obedece ao isolamento social e tal.

Na prática, caríssimo leitor, os profissionais do bravo SUS dariam conta sozinhos sem os Bolsonaro e Mandetta da vida.