Coronavírus é cruel com os mais pobres em São Paulo

Dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo nesta sexta-feira (17), compilados pela Rede Brasil Atual, apontam que as regiões mais ricas têm mais casos da doença, e as mais pobres têm mais mortes.

Os dados mostram que a epidemia de Coronavírus torna ainda mais flagrante os efeitos maléficos da desigualdade social na capital paulista.

A cidade tinha um total de 9.356 casos registrados até as 14 horas desta sexta-feira (17). Em termos de localização, os distritos administrativos do Morumbi, com 297 casos; Vila Mariana, com 207, e Jardim Paulista, com 200 casos, eram os que tinham maior número de contaminações registradas por coronavírus.

Em relação aos óbitos, que chegaram a 1.935 de acordo com os dados coletados, sendo 743 confirmados e 1.192 suspeitos, os distritos de Brasilândia, com 54 mortes, e Sapopemba, com 51, eram os mais atingidos. Na sequência, aparecem São Mateus, com 41 óbitos, e Cidade Tiradentes, com 37.

LEIA TAMBÉM
José Nêumanne Pinto esculhamba Bolsonaro em vídeo; assista

Datafolha: Bolsonaro agiu mal ao demitir Mandetta para 64% dos brasileiros

Tarso Genro diz que novo ministro da Saúde “não é ‘técnico’ e não conhece o SUS”

Panelaços em todo o país contra a demissão de Mandetta

Os dados refletem as condições de vida distintas dos paulistanos. Segundo o Mapa da Desigualdade de 2019, divulgado em novembro do ano passado pela Rede Nossa São Paulo, o Jardim Paulista é o segundo distrito da capital onde as pessoas morrem com a maior média de idade: 79,85 anos.

São quase 23 anos a mais do que em Cidade Tiradentes, onde esta média é de 57,31, a pior entre todos os distritos paulistanos. Na Vila Mariana, o índice é de 78,17 anos, enquanto no distrito do Morumbi chega a 73,48. Em Brasilândia, a média é de 60,11; em Sapopemba, 63,92, e em São Mateus, 65,24.

As condições de acesso a equipamentos de saúde dos três distritos também estão entre as melhores da capital do estado. O Jardim Paulista tem, por exemplo, 30,98 leitos hospitalares por cem mil habitantes, índice que chega a 18,66 na Vila Mariana e a 14,54 no Morumbi, situando os três entre os oito melhores na cidade.

Para efeito de comparação, a proporção de leitos por habitante do Jardim Paulista é 2.816 vezes melhor do que a do distrito de Brasilândia, que tem 0,011 por cem mil habitantes. São Mateus tem 1,44; Sapopemba, 0,845, e Cidade Tiradentes, 0,776.

Na capital paulista, 77,4% das infecções confirmadas por coronavírus são de pessoas com menos de 60 anos de idade. Do total de 9.356 casos, 7.249 se encontravam abaixo desta faixa etária. São Paulo tem ainda 35.409 casos suspeitos de coronavírus, havendo uma prevalência de mulheres: são 19.456 e 15.953 homens.

Ocupação de leitos e distanciamento social
Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, em 9 de abril existiam 295 leitos de UTI para covid-19, e a taxa de ocupação era de 59%. No dia 10, houve a ampliação para 391 leitos, mas, mesmo com a expansão, em 14 de abril a taxa de ocupação estava em 53%.

Em relação aos hospitais de campanha, o do Pacaembu está com 86 pacientes, tendo capacidade de 200 leitos, e o do Anhembi conta com 54 internados de uma disponibilidade atual de 326 leitos.

A prefeitura continua recomendando o distanciamento social como medida essencial para conter o aumento do contágio pelo coronavírus. “Os números de casos assim corrigidos, projetados em demandas por leitos, levando em consideração tempos médios de internação, indicam que a pandemia segue em expansão, ainda que haja a possibilidade de velocidade não exponencial, o que não significaria redução do número de casos, mas diminuição da velocidade de crescimento”, aponta o boletim.

“Assim, o Comitê Técnico-Científico COVID-19 recomenda a manutenção das medidas de distanciamento social (quarentena), bem como a consideração da possibilidade serem adotadas medidas mais severas.”

As informações são da Rede Brasil Atual

Compartilhe agora