Lula no The Guardian: “Bolsonaro está levando os brasileiros para o matadouro”

O ex-presidente Lula admite que somente o impeachment poderá ser a solução para conter a necropolítica, a política da morte, de Jair Bolsonaro.

O jornal britânico The Guardian crava em sua edição desta sexta-feira (17) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está levando os brasileiros para o matadouro, ao lidar de forma irresponsável com a epidemia de coronavírus.

Citando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como fonte primária, o jornal afirma que Jair Bolsonaro está liderando os brasileiros “para o matadouro” com seu tratamento criminalmente irresponsável do coronavírus.

O ex-presidente Lula admite que somente o impeachment poderá ser a solução para conter a necropolítica, a política da morte, de Jair Bolsonaro.

Em uma entrevista apaixonada ao Guardian –quando o número de mortos no Brasil no Covid-19 chegou a 1.924– Lula disse que, ao minar o distanciamento social e defenestrar o ministro da Saúde, o líder “troglodita” do Brasil arriscava repetir as cenas devastadoras que acontecem no Equador, onde as famílias tiveram que despejar cadáveres de seus entes queridos nas ruas.

“Infelizmente, temo que o Brasil sofra muito por causa da imprudência de Bolsonaro. Receio que, se isso crescer, o Brasil poderá ver alguns casos como aquelas imagens horríveis e monstruosas que vimos em Guayaquil”, disse o petista de 74 anos.

“Não podemos apenas querer derrubar um presidente porque não gostamos dele”, admitiu Lula. “[Mas] se Bolsonaro continuar cometendo crimes de responsabilidade … [e] tentando levar a sociedade ao matadouro –que é o que ele está fazendo– acho que as instituições precisarão encontrar uma maneira de classificar Bolsonaro. E isso significa que você precisará ter um impeachment.”

Bolsonaro –um ex-capitão do exército orgulhosamente homofóbico já desprezado por brasileiros progressistas por sua hostilidade ao meio ambiente, direitos indígenas e artes, bem como seus supostos vínculos com a máfia do Rio– alienou milhões a mais com sua postura de desprezo ao coronavírus, que ele menospreza como “histeria” da mídia e uma “gripezinha”.

Desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a pandemia em 11 de março, o presidente do Brasil repetidamente apontou o nariz para o distanciamento social, primeiro incentivando e participando de protestos pró-Bolsonaro e depois com uma série de visitas provocativas a padarias, supermercados e farmácias. Durante um passeio desnecessário, Bolsonaro declarou: “Ninguém impedirá meu direito de ir e vir”.

Em março, o populista de extrema direita chegou a sugerir que os brasileiros não precisassem se preocupar com o Covid-19, pois poderiam banhar-se nos excrementos “e nada acontece”.

Tais medidas colocaram Bolsonaro em desacordo com seu próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, médico que virou político que foi demitido nesta quinta-feira (16) depois de contestar o comportamento do presidente.

Enquanto isso, o filho político de Bolsonaro, Eduardo, levou a bola de demolição para os laços com o parceiro comercial mais importante do Brasil, a China, acusando seus líderes do partido comunista de serem culpados pela crise do coronavírus.

As ações de Bolsonaro provocaram protestos noturnos de pancadinhas nas cidades de todo o país e desprezaram todo o espectro político.

“O coronavírus deve estar rindo demais”, escreveu Eliane Cantanhêde, colunista do jornal conservador Estado de São Paulo, sobre as travessuras de Bolsonaro nesta semana.

O governador de direita do estado mais populoso do Brasil, São Paulo, João Doria (PSDB), declarou o país em guerra contra o coronavírus e o “Bolsonarovírus”.

Lula, que governou de 2003 a 2010, disse que as ações “grotescas” de Bolsonaro estavam colocando em risco vidas, “induzindo um pedaço da sociedade a contrair coronavírus”, ignorando as diretrizes de distanciamento adotadas pelo próprio Ministério da Saúde do Brasil.

“É natural que uma parte da sociedade não entenda a necessidade de ficar em casa ou o quão sério isso é –especialmente quando o presidente da República é um troglodita que diz que é apenas uma gripezinha”, disse Lula por videochamada da cidade brasileira de São Bernardo do Campo (SP), onde está isolado após retornar de uma turnê pela Europa.

“A verdade é que Bolsonaro não tem equilíbrio psicológico para liderar um país. Ele não pensa no impacto que seus atos destrutivos têm na sociedade. Ele é imprudente.”

Bolsonaro diz que sua oposição ao distanciamento decorre de seu desejo de proteger os cidadãos mais vulneráveis ​​do Brasil e seus empregos.

LEIA TAMBÉM
STF julga obrigação da consulta aos sindicatos em acordos de redução salarial

Papa é censurado pelo Vaticano: ‘Uísque é a verdadeira água benta’, teria dito Francisco

Bolsonaro acusa Maia de conspiração e abre guerra com DEM

A íntegra do discurso de Nelson Teich, novo ministro da Saúde; assista ao vídeo

Depois de demitir seu ministro da Saúde, Bolsonaro afirmou estar lutando pelo “povo brasileiro sofredor” e alertou que o coronavírus ameaçava se tornar “um verdadeiro moedor de carne”.

“Em nenhum momento o governo abandonou os mais necessitados … As massas empobrecidas não podem ficar presas em casa”, disse Bolsonaro. “Eu sei … a vida não tem preço. Mas a economia e o emprego devem voltar ao normal.”

Lula, que nasceu na pobreza rural e ganhou aplausos internacionais por sua luta contra a fome, zombou da ideia de Bolsonaro ser um defensor dos pobres.

“Bolsonaro só está interessado em si mesmo, em seus filhos, em alguns generais bastante conservadores e em seus amigos milicianos”, afirmou, referindo-se a alegações de longa data sobre os laços familiares do presidente brasileiro com a máfia do Rio de Janeiro.

“Ele não fala com a sociedade. Bolsonaro não tem ouvidos para ouvir. Ele só tem boca para falar bobagem.”

Embora o ex-presidente do Brasil alegasse que o impeachment era uma opção, ele admitiu que atualmente não há apoio para isso no congresso do país, como ocorreu quando sua sucessora de esquerda, Dilma Rousseff, derrubada em 2016.

Ele disse que muitos políticos de direita acham mais prudente permitir que Bolsonaro continue sabotando suas chances de reeleição em 2022 por sua própria incompetência –antes de eleger outro presidente da direita.

Lula, que foi afastado da eleição de 2018 após ser preso por acusações de corrupção, sinalizou que ele não seria o candidato de esquerda na eleição vindoura de 2022.

“Perdi meus direitos políticos, então não estou falando de mim mesmo”, disse Lula, que foi libertado em novembro de 2019 após 580 dias na prisão e uma decisão do Supremo Tribunal Federal.

“Mas vou lhe dizer uma coisa, você pode ter certeza de que a esquerda estará governando o Brasil novamente depois de 2022. Não precisamos conversar sobre quem é o candidato agora. Mas votaremos em alguém comprometido com os direitos humanos e que os respeite, que respeite a proteção ambiental, que respeite a Amazônia … que respeite os negros e os indígenas. Vamos eleger alguém comprometido com os pobres deste país.”

Observadores da política brasileira têm menos certeza de que Bolsonaro está totalmente terminado –ou que a esquerda está bem posicionada para substituí-lo.

Alguns acreditam que Bolsonaro –um dos quatro líderes mundiais ainda menosprezando o coronavírus ao lado dos presidentes autoritários da Nicarágua, Bielorrússia e Turquemenistão– eliminou suas chances de um segundo mandato com sua resposta à crise.

Mas Thomas Traumann, comentarista político e ministro das Comunicações de Dilma, disse que essa certeza era prematura: “Faltam dois séculos até 2022”.

Traumann disse que ficou claro que Bolsonaro havia se enfraquecido severamente –mas até agora políticos de direita, como os governadores do Rio de Janeiro e São Paulo, pareciam capitalizar mais com os erros de Bolsonaro.

E, finalmente, o Brasil estava entrando em semanas tão imprevisíveis e potencialmente tumultuadas que era impossível saber quais seriam as consequências políticas.

“Sabemos que Bolsonaro sairá mais fraco. Sabemos que seus erros não serão perdoados”, disse Traumann.

Como as fichas políticas cairiam depois disso foi uma incógnita, acrescentou Traumman, comparando a situação do Brasil ao início de uma montanha-russa.

“Tudo o que sabemos é que muitos loops estão por vir. Estamos nos mudando para um mundo desconhecido. Estamos navegando na escuridão.”

Lula disse ter certeza de uma coisa: que em um momento de crise nacional, o Brasil precisava de um líder capaz de unir seus 211 milhões de cidadãos.

“Um presidente deve ser como o maestro de uma orquestra”, disse ele. “O problema é que nosso maestro não sabe nada sobre música, não consegue ler uma partitura e nem sabe como funcionam os bastões.”

“Ele está tentando tocar música clássica com os instrumentos que você usa para tocar samba. Ele transformou sua orquestra em loucura – uma torre de Babel”, disse Lula. “Ele não sabe o que está fazendo no palácio presidencial … nem mesmo Trump o leva a sério.”

Entrevista no The Guardian