Bolsonaro é uma ofensa à memória de Tiradentes, herói nacional

Bolsonaro é uma ofensa à memória de Tiradentes e à tradição republicana do Brasil.

Neste feriado de 21 de abril, é momento de reflexão de todos os brasileiros de quão é ofensivo o presidente Jair Bolsonaro à memória de Joaquim José da Silva Xavier –o nosso Tiradentes, patrono cívico do Brasil e de várias polícias militares e civis nos estados.

Bolsonaro é o avesso de Tiradentes porque ele [o presidente] é da linhagem vira-lata, que se submete ao estrangeiro, vide a relação de submissão canina ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Essa dependência emocional do capitão brasileiro é motivo de chacota em cartoons aqui e alhures.

Tiradentes morreu enforcado no dia 21 de abril de 1792, qual seja, há 228 anos porque organizara uma revolta contra o excesso de impostos da Coroa de Portugal em Minas Gerais. O grupo também almejava uma revolução pela independência nacional.

Os Inconfidentes Mineiros foram delatados aos portugueses por Joaquim Silvério dos Reis, símbolo de traição nacional, em troca do perdão de suas dívidas com a Real Fazenda.

Bolsonaro tem sido comparado a Silvério dos Reis nesses tempos de coronavírus, e com razão.

O presidente da República tem feito gestões contra o confinamento social que podem levar à morte milhões de brasileiros. Além disso, Bolsonaro assegura que bancos e especuladores preservem seus bilionários e até trilionários rendimentos, às custas do orçamento público, enquanto deixa o povo passando fome e à própria sorte.

A grave crise econômica no Brasil atual é anterior à pandemia da Covid-19, fruto de escolhas políticas e ideológicas –submissas a Trump e aos EUA– contrárias aos interesses e à soberania nacional.

Bolsonaro faz um governo de traição nacional quando esmaga direitos sociais da sociedade e dos trabalhadores brasileiros, atenta contra o patrimônio público, se alia aos mais ricos para subjugar os mais pobres e desvalidos.

Desde a Proclamação da República no Brasil, em 1889, Tiradentes é considerado herói nacional. O mártir foi criado pelos republicanos com a intenção de ressignificar a identidade brasileira.

Portanto, Bolsonaro é uma ofensa à memória de Tiradentes e à tradição republicana do Brasil.

LEIA TAMBÉM
Kim Jong está firme e forte, enquanto Bolsonaro balança, mas não cai

Covid: Trump apela para a xenofobia e diz que vai suspender a imigração para os Estados Unidos

Facebook remove convocação de protesto contra a quarentena nos EUA

Lula discute com bancadas do PT coronavírus e “Fora Bolsonaro” nesta terça-feira

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa nesta terça-feira (21), 9 horas, de reunião com as bancadas do PT na Câmara e no Senado sobre a atuação do partido no Congresso em relação ao aprofundamento da crise causada pela pandemia do Coronavírus e os atos recentes de Jair Bolsonaro na presidência da República.

O debate será por videoconferência e terá transmissão aberta pelas redes sociais do ex-presidente e do Partido dos Trabalhadores, podendo ser acompanhada por todos.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, os líderes da bancada Enio Verri (Câmara) e Rogério Carvalho (Senado) e o candidato do partido nas eleições de 2018, Fernando Haddad, participarão da reunião.

O PT tem a maior bancada na Câmara dos Deputados, com 53 parlamentares, e também seis senadores, sendo o maior partido de oposição.

Em entrevista semana passada ao jornal inglês The Guardian, Lula afirmou que Bolsonaro está conduzindo o Brasil “ao matadouro” pela forma com que está lindando com a pandemia de covid-19 e que não tem condições psicológicas de presidir o país.

Zé Dirceu afirma que é hora de o PT avançar com Fora Bolsonaro

O ex-ministro José Dirceu afirmou nesta segunda-feira, durante uma live, que é hora de o PT avançar com a bandeira do Fora Bolsonaro.

“Temos que avançar com o fora Bolsonaro, dialogando com outras forças”, disse numa entrevista no canal do vereador Arnaldo Godoy (PT), de Belo Horizonte (MG).

Na avaliação do ex-ministro, Bolsonaro continuará com essa marcha acelerada pelo golpe.

Dirceu criticou a fala do presidente da República segundo qual “70% irão morrer ou serão contaminados pelo coronavírus” no Brasil.

“Os países que deixaram de tomar medidas pagaram um alto preço, disse, referindo-se à Itália, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos”, opiniou.

Segundo Zé Dirceu, o Brasil tem condições de enfrentar a Covid-19 porque tem um Estado organizado e uma sociedade organizada.

“Bolsonaro está praticamente isolado nessa opinião negacionista”, afirmou.

O ex-ministro disse que é preciso lutar pelo impeachment de Bolsonaro combinado com as reformas estruturais e a revolução social no Brasil.

“Nós também precisamos lutar para que Lula seja habilitado para disputar a Presidência da República”, defendeu.

Zé Dirceu avaliou que poderá haver “unidade e luta” na atual conjuntura: unidade contra Bolsonaro e luta pelas reformas estruturais.

Lula, Gleisi e Haddad dizem que chegou a hora do “Fora, Bolsonaro!”

Depois da participação do presidente Bolsonaro do ato que pedia intervenção militar contra o Congresso e o STF, a cúpula do Partido dos Trabalhadores parece ter se convencido que é preciso se posicionar de maneira firme pelo “Fora, Bolsonaro!”.

Pelo Twitter, o ex-ministro Fernando Haddad declarou:

“O verme, mais uma vez, diz a que veio. Até quando os democratas suportarão tanta provocação, sem nada fazer? O dia do fora já chegou!”

A presidente nacional do PT respondeu:

“Eu também acho @Haddad_Fernando, chegou a hora do fora Bolsonaro! O PT continuará esse debate em suas instâncias e não faltará ao país.”

Lula defende impedimento de Bolsonaro para barrar volta da ditadura

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reagiu, neste domingo (19), nas redes sociais defendendo a adoção dos mecanismos democráticos para impedir o golpismo de Jair Bolsonaro. O chefe do executivo participou de ato em Brasília que pedia o AI-5, o fechamento do Congresso e do STF.

“A mesma Constituição que permite que um presidente seja eleito democraticamente têm mecanismos para impedir que ele conduza o país ao esfacelamento da democracia e a um genocídio da população”, apontou Lula no Twitter.