Volkswagen aproveita o coronavírus para se reestruturar no Brasil

Publicado em 26 março, 2020
Compartilhe agora!
Volkswagen do Brasil aproveita o coronavírus para se reestruturar; montadora concede férias coletivas para os trabalhadores com isolamento, quarentena, etc., é o fim da picada.

A montadora Volkswagen informou nesta quinta-feira (26) que vai prorrogar a suspensão da produção até o final de abril.

De acordo com um comunicado da empresa alemã, as atividades serão retomadas conforme programação da cadeia de suprimentos de cada fábrica.

No comunicado, a Volkswagen do Brasil anuncia a extensão da suspensão da produção em todas as quatro fábricas no País até o final do mês de abril, em decorrência dos impactos da COVID-19.

A partir dessa data, a produção será retomada de acordo com a programação da cadeia de suprimentos e de logística de cada fábrica.

Durante esse período os empregados estarão em férias coletivas, medida que faz parte das ferramentas de flexibilização previstas em Acordo Coletivo de Trabalho.

LEIA TAMBÉM
Os EUA agora lideram o mundo em casos confirmados de coronavírus

PSOL aprova ‘Fora Bolsonaro’

Coronavírus: 78 mortos com 2.915 casos confirmados no Brasil

A Volkswagen, bem como outras empresas, aproveita a crise humanitária do coronavírus para fazer sua reestruturação visando a maximização da taxa de lucro.

As férias coletivas, mormente, são utilizadas para controlar os estoques de produtos encalhados.

Quando se produz mais do que se vende, deduz-se, há uma recessão econômica –que é agravada pela COVID-19, isto é, pelo isolamento social.

Em tempo: férias coletivas para os trabalhadores com isolamento, quarentena, etc., é o fim da picada.

Em tempo 2: a Volkswagen –e demais montadoras– deveriam ser proibidas de demitir e flexibilizar contratos de trabalho pelos próximos cem anos, haja vista a quantidade de incentivos e renúncias que obtiveram de governos estaduais e municipais.

Compartilhe agora!