bolsonaro pedalando

STF autoriza Bolsonaro a pedalar durante a pandemia do coronavírus

Mesmo sendo autorizado pelo STF a pedalar, Bolsonaro não tem muito a apresentar no combate ao coronavírus. Seria mais eficaz se ele decretasse moratória para mexer no R$ 1,603 trilhão previsto para o pagamento de juros e amortizações da dívida interna, mas o capitão não tem colhões para encarar os banqueiros.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo, em decisão liminar, autorizou neste domingo (29) o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a pedalar durante a pandemia do coronavírus.

Na prática, o STF deu carta branca para o governo federal descumprir regras previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para realizar fatos não previstos com ações de combate à COVID-19.

O impeachment da presidenta Dilma Rousseff, em 2016, ocorreu sob alegação de que, sem autorização do Congresso, ela alterou a programação orçamentária e efetuou gastos incompatíveis com a meta de economia da época. Segundo os golpistas de então, a petista teria pedalado no Plano Safra, crédito subsidiado para agricultores familiares, e atrasado os repasses feitos ao Banco do Brasil.

Feito esse recorte comparativo histórico, Bolsonaro está autorizado a pedalar. Não corre risco de cair pelo desrespeito à LRF ou à LDO, mas corre o perigo de desabar do cargo devido ao isolamento político. Nesse domingo, por exemplo, onze partidos assinaram uma carta de repúdio ao presidente da República.

Bolsonaro tem a liberdade de vigiada para mexer no dinheiro velho, isto é, no remanejamento do orçamento de 2020, “durante a emergência em saúde pública de importância nacional e o estado de calamidade pública decorrente de covid-19, afastar a exigência de demonstração de adequação e compensação orçamentárias em relação à criação/expansão de programas públicos destinados ao enfrentamento do contexto de calamidade gerado pela disseminação de covid-19”.

LEIA TAMBÉM
Especialista afirma que coronavírus pode matar até 200.000 pessoas nos EUA

Gabriella Priolli anuncia saída da ‘governista’ CNN Brasil

Polícia prende em Belém participantes de carreata pelo fim da quarentena

Na prática, ele vai administrar o cobertor curto. Poderá cobrir a cabeça, mas descobrir os pés. O presidente terá a “liberdade” para mexer em até R$ 40 bilhões no orçamento atual. Traduzindo: vai tirar da educação para colocar na saúde, por exemplo.

Para o leitor ter uma ideia da limitação dessa flexibilização autorizada hoje pelo Supremo, o governo “queimou” só em março cerca de R$ 76 bilhões (US$ 15,2 bilhões) na tentativa de segurar a cotação do dólar. O dinheiro “torrado” saiu das reservas internacionais do Brasil, que estão na casa dos US$ 361 bilhões, deixadas pelos governos do PT.

Então, qual seria a medida mais eficaz para combater os efeitos nocivos do coronavírus?

Resposta: somente uma moratória da dívida interna –e do pagamento dos juros— seria suficiente para sustentar o financiamento do combate ao coronavírus, a COVID-19.

O Congresso Nacional aprovou o orçamento federal deste ano destinando para juros e amortizações da dívida no valor de R$ 1,603 trilhão, ou seja, 45% dos R$ 3,565 trilhões previstos. É esse dinheiro que precisa ser remanejado. O resto é balela e conversa para boi dormir.