Sócio de Huck defende morte de “cinco ou sete mil” com fim de isolamento do coronavírus

Publicado em 23 março, 2020
Compartilhe agora!

O empresário Junior Durski, sócio do apresentador Luciano Huck, voltou às redes sociais nesta segunda-feira (23) defendendo o fim do isolamento social. A medida foi adotada para evitar a proliferação da infecção pelo coronavírus no Brasil e no mundo.

“Eu sei que vão morrer cinco ou sete mil pessoas”, disse o sócio de Huck no ramo de hambúrgueres cujo carro-chefe é o Madero, em Curitiba.

“As consequências que vamos ter economicamente no futuro serão muito maiores do que as pessoas que vão morrer agora com o coronavírus.”

LEIA TAMBÉM
Até Miriam Leitão, da Globo, ficou chocada com a MP 927

Governo Bolsonaro liberou a exportação ilegal de suplementos de saúde para a Itália

Líderes da Oposição e da Minoria na Câmara preveem colapso social e pedem devolução da MP 927

“Não podemos por conta de cinco ou sete mil pessoas que vão morrer. Ei sei que é muito grave mas muito grave é o que já acontece no Brasil”, disse, que no começo deste mês gravou um polêmico vídeo convocando a manifestação do dia 15.

Pelo vídeo publicado hoje, o sócio de Luciano Huck pretende lançar o “necrosanduíche”, o sanduíche da morte. Um horror.

O esforço dos empresários bolsonaristas é para levantar o isolamento e abrir normalmente suas lojas, mesmo que os trabalhadores fiquem expostos ao vírus.

O que falar para o Senhor Junior Durski?

Cala boca, Magda!

Assista ao vídeo de Junior Durski, o sócio de Luciano Huck:

Compartilhe agora!