Regina Duarte diz que tem ‘carta branca’ de Bolsonaro e demite olavetes de roldão

Compartilhe agora

O presidente Jair Bolsonaro dá posse à secretária especial da Cultura do Ministério do Turismo, Regina Duarte

A atriz Regina Duarte tomou posse da Secretaria Especial da Cultura, nesta quarta-feira (4), em cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília. Durante o evento, ela fez um discurso em que ressaltou ter recebido liberdade para indicar a sua equipe na pasta.

“O convite que me trouxe até aqui falava em porteira fechada e carta branca. Não vou esquecer não, ein presidente?!”, disse Regina, rindo. Bolsonaro rebateu e afirmou que a atriz passará pro um momento probatório.

Ao longo do dia, Regina Duarte demitiu mais de uma dezena de integrantes de órgãos vinculados à Secretaria de Cultura como o presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Dante Mantovani, um seguidor fanatizado de Olavo de Carvalho.

Nomeado em dezembro do ano passado pelo ex-secretário Roberto Alvim, Mantovani chamou atenção por teorias da conspiração que compartilhava em seu canal no YouTube. Em um vídeo, ele falou sobre sua crença de que o rock leva ao satanismo e aborto.

LEIA TAMBÉM:

Regina Duarte demite presidente da Funarte que afirmou que o rock leva às drogas, ao aborto e ao satanismo

“Fora, Regina Duarte”, gritam bolsonaristas horas antes da posse

Regina Duarte não foi consultada sobre as demissões na Fundação Palmares

A pedido de Regina Duarte, outros cinco presidentes de órgãos da cultura nomeados por Alvim e que compunham a ala olavista da pasta foram demitidos. São eles: Camilo Calandrelli (Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura); Reynaldo Pereira (Secretaria da Economia Criativa); Marcos Azevedo (Secretário de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual); Rodrigo Junqueira (Secretaria de Difusão e Infraestrutura Cultural); e Paulo Cesar Brasil ( Instituto Brasileiro de Museus).

Ou seja, Regina Duarte passou o rodo na turma olavete que estava na Cultura. Ao todo 13 olavetes receberam o “bilhete azul” para desespero de Olavo de Carvalho.