Militar iraniano diz que coronavírus pode ser ataque biológico dos EUA

Compartilhe agora

Hossein Salami , chefe do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã.
Os EUA podem ser o principal culpado pelo surto de COVID-2019 que atingiu a China e o Irã, afirmou o chefe do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, indicando ainda que o vírus acabe se voltando contra aqueles que o desencadearam.

“É possível que esse vírus seja o produto de um ataque biológico da América que se espalhou inicialmente para a China e depois para o Irã e o resto do mundo”, disse Hossein Salami nesta quinta-feira, conforme noticiado pela mídia estatal.

LEIA TAMBÉM:
PIB de 2020 pode ser pior que o 1,1% de 2019, alerta Marcio Pochmann

TSE encontra assinaturas de mortos na lista de apoiadores do partido de Bolsonaro

Deputado petista quer explicações da Presidência sobre quem pagou comediante fantasiado de Bolsonaro

Ele não apresentou provas, mas prometeu que o Irã “combateria” o vírus e alertou que a doença “retornará” aos Estados Unidos, se Washington fosse realmente responsável pelo surto.

O Irã foi um dos países mais atingidos pelo COVID-19 fora da China continental onde se originou. Até quinta-feira, a República Islâmica registrou 3.513 casos confirmados e 107 mortes atribuídas ao vírus. Cerca de 15 pessoas que sucumbiram ao coronavírus morreram nas últimas 24 horas, segundo o ministro da Saúde do Irã, Saeed Namaki.

O país persa fechou todas as escolas e universidades até o final do ano civil do país, em 20 de março, em um esforço para impedir a propagação do vírus.

Na terça-feira, a mídia estatal anunciou que o chefe dos serviços médicos de emergência do Irã estava sendo tratado por coronavírus. Inúmeras autoridades iranianas de alto nível ficaram doentes com o vírus.

Recentemente, 23 parlamentares testaram positivo para a doença na República Islâmica. Mohammad Mirmohammadi, membro de um conselho que aconselha o líder supremo, morreu após ficar doente da doença. Sua morte segue a de outros dois iranianos de alto perfil que contraíram o vírus – um ex-embaixador e um membro recém-eleito do Parlamento.

As informações são da Agência SputniK