Folha tenta salvar Paulo Guedes, mas não há salvação para incompetência

Compartilhe agora

Congresso, mídia e Bolsonaro falam a mesma língua quando o assunto é retirar direitos do povo.
A Folha de S. Paulo, edição desta segunda-feira (16), “promoveu” Paulo Guedes à condição de Ministro da Saúde. É ele quem fala sobre o avanço do coronavírus no País, ao invés de Henrique Mandetta –o verdadeiro titular da pasta da Saúde.

O “Posto Ipiranga” deveria cuidar a economia, coisa que não fez até agora. Pelo contrário, por incompetência quebrou o País com o receituário neoliberal.

A Folha, Globo, Estadão, Veja, et caterva, tentam proteger Guedes por uma questão óbvia: os jornalões têm interesses econômicos que precisam sobreviver nessa lógica da especulação dos fundos de investimentos.

Numa entrevista publicada hoje, a Folha destaca o ministro da Economia como “pacificador” do Congresso e do governo, após este último sofrer duas derrotas acerca: 1- do orçamento impositivo de R$ 15 bilhões e 2- da ampliação da faixa de renda para a concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Por mais que haja um reconhecido esforço da velha mídia, é impossível salvar Guedes no âmbito do neoliberalismo. Até mesmo os países mais radicais na aplicação do liberalismo, como França, Alemanha e EUA, estão injetando na veia doses de keynesianismo para reanimar a economia. Vide a última decisão do Fed, o Federal Reserve, que reduziu a taxa de juros para zero e liberou cerca de R$ 700 bilhões para socorrer setores vulneráveis americanos.

LEIA TAMBÉM
Coronavírus é usado como ‘freio de arrumação’ na economia dos EUA

Bolsonaro, um delinquente, e o coronavírus

Contas do governo Bolsonaro devem ser aprovadas pelo TCU, mas com ressalvas

O Brasil, com os barões da velha mídia dirigindo a economia, faz-se diferente: mantém tudo como dantes com a política da “austeridade” fiscal, desinvestimentos públicos e arrocho nos salários.

“A inclinação de contágio nos modelos do Banco Central é mais rápida do que nos outros países”, disse Paulo Guedes à Folha.

Pelos dados “alarmantes” do “Posto Ipiranga”, o esforço coletivo do Ministério da Saúde está sendo inócuo no combate à pandemia do coronavírus.

Seria o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) o principal disseminador do vírus? É uma tese.

Entretanto, os vírus mais perigosos para a economia continuam sendo Guedes, Bolsonaro e a velha mídia. Basta olharmos para o retrovisor. São desmontes do Estado, retiradas de direitos e desemprego, venda de ativos públicos, enfim, crimes [continuados] perpetrados contra o povo brasileiro.