Especialista afirma que coronavírus pode matar até 200.000 pessoas nos EUA

Anthony Fauci em uma entrevista coletiva ao lado de Donald Trump. Foto: Brendan Smialowski/AFP.
Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA e membro da força-tarefa montada pelo presidente americano Donald Trump para lidar com a pandemia, afirmou neste domingo que entre 100.000 e 200.000 pessoas podem morrer nos Estados Unidos vítimas da Covid-19.

“Em função do que vemos hoje, diria que entre 100.000 e 200.000”, afirmou o doutor Fauci ao canal CNN sobre o possível número de mortes. Ele também citou “milhões de possíveis casos”.

LEIA TAMBÉM:
Polícia prende em Belém participantes de carreata pelo fim da quarentena

Bolsonaro ignora pandemia e sai às ruas do DF

São Paulo ultrapassa 6 vezes a China em número de mortos por dia, diz Folha

Cauteloso, o diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas recordou, no entanto, que os modelos sempre são baseados em diferentes hipóteses.

“Apresentam o pior e o melhor cenário. E geralmente a realidade fica em algum ponto intermediário”, explicou.

“Entre as doenças com as quais já trabalhei, nunca vi um modelo em que aconteça o pior dos casos. Sempre são superestimadas”, completou.

Fauci também disse que só apoiaria o afrouxamento das medidas de distanciamento social em áreas menos atingidas se mais testes forem aplicados para monitorar esses locais.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, cujo balanço é usado como referência, até o momento os Estados Unidos registram mais de 125.000 casos positivos do novo coronavírus, o maior número no mundo em apenas um país. O número de mortes, 2.191, quase dobrou desde quarta-feira.

Segundo as projeções da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, o pico da epidemia acontecerá em meados de abril nos Estados Unidos, com um número de mortes que pode se aproximar de 80.000 a partir de junho, seguindo a trajetória.

As informações são da Deutsche Welle.