Deputado petista quer explicações da Presidência sobre quem pagou comediante fantasiado de Bolsonaro

Compartilhe agora


O deputado Alencar Santana (PT-SP) protocolou nesta quarta-feira (4) requerimento de informações ao ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Souza Braga Netto, sobre a interação jocosa ocorrida na manhã desta quarta-feira, em frente ao Palácio da Alvorada, entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o comediante Márvio Lúcio, conhecido como Carioca.

Numa manifestação histriônica com o comediante, conforme definiu Alencar, Bolsonaro saiu do Palácio da Alvorada sem comentar o pífio resultado de crescimento de 1,1% do PIB (Produto Interno Bruto) de 2019, o menor dos últimos três anos.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro leva comediante para entrevista e não fala sobre ‘pibinho’

Associação Brasileira de Imprensa exige compostura de Bolsonaro

Efeito Bolsonaro: Dólar dispara e atinge R$ 4,58 em dia de ‘pibinho’

Em vez de falar sobre o resultado desastroso, Bolsonaro armou uma encenação com o comediante, que desceu de um carro oficial vestido de preto com uma faixa presidencial. Carioca então perguntou aos jornalistas que estavam na porta do Palácio à espera de Bolsonaro se eles tinham perguntas e ofereceu uma banana aos profissionais – referência a um gesto anterior de Bolsonaro ao interagir com a imprensa.

Quem pagou pela palhaçada?
No requerimento de informações, o parlamentar petista indaga o general sobre quem pagou a encenação histriônica. “Foi contratada pelo poder público? Qual órgão? Qual foi o tipo de contrato? Quanto custou e qual a finalidade?”.

Alencar Santana quer saber também se, no caso de o evento ter sido promovido por alguma rede rádio ou TV, se foi previamente autorizado pela Presidência da República. Nesse caso, “Quem o convidou? Por que o ator estava no carro presidencial? Qual a intenção do ato? O que justifica tal ação?”.

O deputado argumenta que é “fundamental a obtenção das informações ora requisitadas para a adoção das medidas cabíveis contra essa medida frontalmente contrária à moralidade administrativa, com o uso indevido de símbolos nacionais e de bens públicos para desonrar os valores da República Federativa do Brasil”.

O parlamentar criticou duramente Bolsonaro pela tentativa de fazer piada com a “lamentável notícia” sobre o fraco crescimento do PIB. Alencar criticou o fato de o comediante estar fantasiado de presidente da República “para fazer troça frente a profissionais de imprensa, simulando o odioso gesto de ‘distribuição de bananas’ a esses jornalistas e imitando de forma constrangedora a maior autoridade do País”.

“A despeito do péssimo gosto em fazer blague num momento em que há uma piora do quadro econômico, o que reforça o quadro de miséria e de desigualdade crônicas no País, assolado pelo número indecente de desempregados, o ignominioso ato perpetrado pelo Senhor Presidente da República, humilhando seus próprios concidadãos, merece esclarecimentos porquanto símbolos nacionais foram conspurcados e bens públicos da União utilizados de forma indevida por alguém que jurou respeito à Constituição e que se diz patriota, provavelmente servindo o escárnio realizado como plataforma de publicidade para fins particulares”, diz trecho do requerimento endereçado ao general que dirige a Casa Civil.

Confira a íntegra do requerimento:

Requerimento

As informações são do PT na Câmara.